Conecte-se connosco

Jazz volta a ocupar escadas do Quebra Costas a partir de hoje

Publicado

em

As escadas do Quebra Costas, situadas no Centro Histórico de Coimbra, voltam a ser palco para o festival Quebrajazz, que arranca hoje e se prolonga até 02 de setembro, com 22 concertos.

11229542_372673186265018_1401244564900214400_n

O festival nasceu há seis anos pela mão do café Quebra, situado na escadaria incluída no Património Mundial da UNESCO, e esta é a primeira edição organizada por uma associação cultural que agrega a maioria dos comerciantes e alguns trabalhadores dos estabelecimentos do Quebra Costas.

Por aquelas escadas, todas as sextas-feiras e sábados entre hoje e 02 de setembro, irá haver concertos de jazz, com diferentes formações e subgéneros, havendo um “equilíbrio entre o jazz mais tradicional e menos tradicional”, disse à agência Lusa o baterista e responsável pela programação, Paulo Bandeira.

Num pequeno palco (um patamar da escadaria) de cinco por três metros, irão passar os Lokomotiv (Mário Delgado, Carlos Barretto, José Salgueiro), o Quinteto Luís Cunha, o trio OGRE da vocalista Maria João, o Gonçalo Leonardo Quarteto, Marta Hugon e Amplectors, entre outros.

Cada grupo faz dois concertos por fim de semana (com a exceção de Lokomotiv), terminando o festival em setembro, com a Quebra Ensemble, um grupo formado por Paulo Bandeira e por outros músicos que tocaram ao longo das edições do festival e que estará aberto a uma ‘jam session’.

Tocar no Quebra Costas “é completamente diferente. A acústica, o ambiente, o facto de ser Património Mundial é mítico e as escadas acabam por fazer um auditório em que tudo soa muito bem”, sublinhou Paulo Bandeira, recordando que uma das presenças habituais no festival é Mário Laginha, “que também adora lá tocar”.

Durante os concertos, é comum o patamar estar rodeado, ao longo das escadas, quer de cima quer de baixo, de público a assistir aos concertos gratuitos.

O Quebrajazz Fest vai ter concertos de 5teto (23 e 24 de junho), Lokomotiv (30 de junho), Zzaj Trio (1 de julho), Gonçalo Leornardo Quarteto (7 e 8 de junho), Bittersweet – Marta Hugon (14 e 15 de julho), CBF Trio (21 e 22 de julho),  Quinteto Luís Cunha (28 e 29 de julho), Maria João – Ocre (4 e 5 de agosto), Amplectors (11 e 12 de agosto), Circulo (18 e 19 de agosto), Trio João Barradas (25 e 16 de agosto) e Quebra Ensamble (1 e2 de setembro).

Segundo o responsável pelo festival e proprietário do café Quebra, Miguel Lima, a edição deste ano é o primeiro evento organizado pela recém-criada associação cultural que agrega a maioria dos comerciantes daquela zona.

No futuro, o objetivo passa por juntar ainda mais estabelecimentos das redondezas na associação e dinamizar mais eventos culturais para aquele espaço, situado junto à Sé Velha de Coimbra.

A Câmara Municipal de Coimbra aprovou esta semana um apoio financeiro pontual de 3500 euros à Associação Cultural Quebra Costas, juntando-se assim ao apoio já atribuído pela junta de freguesia.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade [video width="1280" height="1280" mp4="https://www.noticiasdecoimbra.pt/wp-content/uploads/2020/11/banner-NDC-radioboanova.mp4" loop="true" autoplay="true" preload="auto"][/video]
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com