Conecte-se connosco

Destaque

Investigadores e bolseiros protestam pela prorrogação das bolsas

Publicado

em

Investigadores e bolseiros vão concentrar-se, na sexta-feira, em Lisboa para exigir a prorrogação das bolsas de investigação e a resolução de outros problemas que afetam os trabalhadores científicos, anunciou hoje a Federação Nacional dos Professores (Fenprof).

A Fenprof e a Associação de Bolseiros de Investigação Científica (ABIC) organizaram uma concentração junto ao edifício do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES), na Estrada das Laranjeiras, onde vão deixar um abaixo-assinado exigindo a prorrogação de todas as bolsas em curso ou que tenham terminado durante a vigência das medidas de contingência.

Além da prorrogação das bolsas de investigação, o protesto tem como objetivo exigir a abertura de novas edições dos concursos CEEC (Concurso Estímulo ao Emprego Científico) e de Projetos de investigação científica e desenvolvimento tecnológico (IC&DT) em 2021.

O fim das taxas de entrega de teses e a “democratização das Instituições de Ensino Superior por forma a garantir o direito dos trabalhadores científicos a eleger e ser eleito, independentemente do tipo de vínculo” são outras das reivindicações apontadas pela ABIC no seu ‘site’.

Os trabalhadores pedem ainda que seja revogado o Estatuto do Bolseiro de Investigação e que os trabalhadores científicos sejam integrados nas respetivas carreiras.

Em comunicado, a Fenprof acusou o ministro Manuel Heitor de viver “no País das Maravilhas” e de “parecer não entender o significado de precariedade nem as profundas implicações na vida de quem assim trabalha”.

A Fenprof alertou para o “fracasso do PREVPAP”, o programa de regularização dos vínculos precários: Dos 3.264 requerimentos feitos, apenas 13% foram aprovados, segundo números desta estrutura sindical.

A federação reconhece como positivo “muitos investigadores terem finalmente tido acesso a contratos de trabalho, em vez de bolsas de investigação”, mas lembrou que estes “continuam em situação precária, e muitos têm visto os contratos caducar”.

“O número de contratações para a carreira, com contratos de trabalho por tempo indeterminado, é residual. O Programa de Estímulo ao Emprego Científico, a grande bandeira do ministro, realiza contratações a prazo em 97% dos casos, e o PREVPAP, enquanto programa com que o Governo se comprometeu para regularizar as contratações precárias do Estado, foi um logro para os para os docentes e investigadores do ensino superior”, acusa a federação.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade [video width="1280" height="1280" mp4="https://www.noticiasdecoimbra.pt/wp-content/uploads/2020/11/banner-NDC-radioboanova.mp4" loop="true" autoplay="true" preload="auto"][/video]
Publicidade
Publicidade
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com