Conecte-se connosco

Política

Iniciativa Liberal defende redução de impostos sobre os combustíveis

Publicado

em

O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, defendeu hoje a redução dos impostos sobre os combustíveis e acusou o PS de “hipocrisia e sonsice” por justificar os aumentos como incentivo à redução das emissões poluentes.

“A nossa proposta é repor o nível de imposto sobre os produtos petrolíferos na base que estava em 2016 para dar esse alívio às pessoas até porque isso contribui, também, para o crescimento económico”, afirmou Cotrim de Figueiredo.

Numa ação de campanha junto a um posto de combustível em Torres Vedras, no distrito de Lisboa, o liberal afixou um cartaz onde se lê “o único depósito cheio é o do Governo” e aproveitou para referir que os portugueses pagam 60% de impostos no combustível.

Cotrim de Figueiredo frisou que metade no gasóleo e quase 60% na gasolina são impostos, atirando culpas ao PS.

“Eu quero recordar aos portugueses que isto não tem que ser assim porque quando o PS tomou posse, já há seis anos, os impostos sobre o gasóleo, por exemplo, eram 11 cêntimos mais baixos do que são hoje, portanto, com o IVA quer dizer que só com impostos o PS aumentou o preço dos combustíveis em 13 cêntimos e meio, o que é obviamente uma barbaridade face aos orçamentos familiares”, reforçou.

A justificação do Governo do PS para aumentar estes impostos, assente na necessidade de reduzir as emissões poluentes, são para o presidente da IL uma “hipocrisia total e uma sonsice”.

O que o Governo quer, acrescentou, é arrecadar impostos porque sabe que isso produz receita.

Lembrando que as pessoas que vivem nas zonas fronteiriças vão abastecer a Espanha, Cotrim de Figueiredo disse que isso causa uma perda de receita fiscal de 12% do total, segundo um dos últimos estudos da Entidade Nacional do Mercado de Combustíveis.

“O que, neste momento, pagaria por exemplo esta redução fiscal que estamos aqui a dizer em relação ao gasóleo. Portanto, acho desculpa de mau pagador [a justificação do PS]”, vincou.

Mantendo as críticas, o liberal ressalvou que o Governo tem sido, à semelhança de outros governos socialistas noutras alturas, muito especialista em taxar todo o comércio e, isso, “não é boa política económica”.

Segundo Cotrim de Figueiredo, a política fiscal sobre os combustíveis não é um mero instrumento de captação de receitas, nem de gestão ambiental, tem de ser também um instrumento de desenvolvimento económico e de dar oportunidade às pessoas de fazer a sua vida.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link