Conecte-se connosco

Coimbra

São Martinho do Bispo exige mais policiamento

Publicado

em

Os habitantes da União de Freguesias de São Martinho do Bispo e Ribeira de Frades, no concelho de Coimbra, têm em curso um abaixo-assinado, onde solicitam o aumento do policiamento, para acabar com o sentimento de insegurança.

“Existe um sentimento generalizado de insegurança na população, com vários episódios de assaltos a residências e a viaturas, bem como episódios de vandalismo, com invasão de propriedade e destruição de bens”, lê-se no documento que pode ser assinado online ou em papel.

No abaixo-assinado, endereçado ao presidente da Câmara Municipal de Coimbra, José Manuel Silva, e ao presidente da União de Freguesias de São Martinho do Bispo e Ribeira de Frades, Jorge Veloso, é solicitado que “reavaliem o estado de segurança da zona supramencionada”.

Pedem mesmo para que seja equacionada a instalação de “uma esquadra ou centro de atendimento permanente da Polícia de Segurança Pública (PSP) na zona”.

“Tendo em conta o crescente desassossego entre a população, pedimos uma solução rápida para esta situação, com um aumento imediato da frequência de patrulhas na freguesia”, lê-se ainda.

Contactado pela agência Lusa, o presidente da União de Freguesias de São Martinho do Bispo e Ribeira de Frades, Jorge Veloso, sublinhou que a questão da insegurança, especialmente em São Martinho do Bispo, é “uma preocupação antiga”, que já foi “devidamente sinalizada junto das forças policiais”.

“Já tivemos várias reuniões para tentar resolver esta situação, tendo sido pedido maior patrulhamento, pois tivemos vários roubos, inclusivamente na Junta de Freguesia. Alguma coisa já foi feita em termos de patrulhamento, até em locais que indicámos, mas ainda não é suficiente”, referiu.

De acordo com Jorge Veloso, as forças policiais que intervêm na área da União de Freguesias – PSP em São Martinho do Bispo e GNR em Ribeira de Frades – têm alegado falta de efetivos e viaturas.

“Verificou-se um crescente do patrulhamento, nos últimos três ou quatro meses. Mas se calhar não contam com o número de efetivos necessário para fazer mais e melhor”, sustentou.

Sobre o abaixo-assinado, o presidente da União de Freguesias disse tratar-se de um reforço do que já vêm pedindo, frisando que será enviado às entidades competentes mal seja recebido.

A Lusa contactou a PSP de Coimbra, não obtendo resposta até ao momento.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link