Conecte-se connosco

Empresas

Greve na Infraestruturas de Portugal esta quinta-feira deverá causar perturbações na circulação ferroviária

Publicado

em

A Associação Sindical dos Profissionais do Comando e Controlo Ferroviário (Aprofer) cumpre esta quinta-feira o segundo dia de greve desta semana, que deverá causar perturbações na circulação ferroviária.

De acordo com a informação vinculada pela Infraestruturas de Portugal, na sua página na internet, “no seguimento do aviso prévio de greve apresentado pela APROFER – Associação Sindical dos Profissionais do Comando e Controlo Ferroviário, para o período compreendido entre as 00:00 e as 24:00 do dia 12 de julho e o período compreendido entre as 00:00 e as 24:00 do dia 14 de julho, informamos que poderão verificar-se perturbações na circulação ferroviária”.

Este é o segundo dia de greve dos trabalhadores da Infraestruturas de Portugal (IP), depois de na terça-feira, a CP – Comboios de Portugal ter suprimido 903 das 1.274 ligações programadas entre as 00:00 e as 22:00, devido à greve, indicou à agência Lusa fonte oficial da empresa.

A IP, empresa gestora da rede ferroviária, indica que neste período “garantirá a abertura de 30% do seu canal ferroviário para o serviço Urbanos – Lisboa e Porto, e 25% para as restantes circulações, nos termos dos serviços mínimos acordados com a referida associação sindical”.

A CP informa, no seu ‘website’, que se preveem “fortes perturbações na circulação de comboios, a nível nacional, em todos os serviços”.

Também a Fertagus alertou na sua página eletrónica que, “face à greve anunciada na IP entre as 00:00 e as 24:00, nos dias 12 e 14 de julho de 2022, encontram-se previstas fortes perturbações na circulação de comboios”.

Em declarações à agência Lusa, o presidente da Aprofer explicou que a greve abrange os perto de 300 trabalhadores do Comando e Controlo Ferroviário da IP, que regulam a pontualidade e a segurança de 100% das circulações ferroviárias e que estão concentrados nas estações de Braço de Prata, Contumil e Setúbal, ou seja, nos centros de comando operacionais (CCO) de Lisboa, do Porto e de Setúbal.

Conforme explicou Adriano Filipe, em greve estarão os supervisores e os operadores de comando ferroviário e de permanência geral de infraestruturas ferroviárias.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade