Mundo

Grandes terramotos podem dar sinais detetáveis com meses de antecedência

Notícias de Coimbra com Lusa | 3 meses atrás em 29-11-2023

Grandes terramotos podem dar sinais únicos da sua preparação com meses ou até anos de antecedência, o que pode permitir a sua deteção, defende um novo estudo divulgado esta terça-feira e com autoria de cientistas alemães e turcos.

PUBLICIDADE

O artigo, publicado pela revista Nature Communications, analisa o sismo de magnitude 7,8 registado em fevereiro passado na Turquia e na Síria, que causou milhares de mortos, e indica que houve sinais que começaram cerca de oito meses antes.

PUBLICIDADE

Estes resultados somam-se às evidências acumuladas de que “pelo menos alguns grandes sismos apresentam uma fase de preparação que pode ser monitorizada e que tem alguma semelhança com modelos teóricos e laboratoriais do processo de falha”, sustentam os autores.

PUBLICIDADE

A equipa liderada pela Universidade de Potsdam, na Alemanha, descobriu que as áreas afetadas pelo terramoto na Turquia e na Síria registaram uma aceleração nas taxas de eventos sísmicos e um aumento na libertação de energia a partir de cerca de oito meses antes, organizados em grupos num raio de 65 quilómetros do epicentro.

Embora a rutura principal tenha ocorrido numa falha e numa região previamente identificada como tendo potencial de risco sísmico muito elevado, os sinais preparatórios ocorreram tanto naquela área como numa falha secundária, que anteriormente tinha recebido pouca atenção.

PUBLICIDADE

Alguns grandes sismos podem apresentar uma fase de preparação monitorizáveis, mas devido ao grande número de variáveis envolvidas, “com o estado atual de conhecimento, o alerta sísmico a médio prazo – se possível – permanece no futuro da sismologia”, frisaram os cientistas no estudo.

Os resultados destacam os desafios colocados pela deteção da fase de preparação e do epicentro de grandes terremotos, sugerindo que seria necessária uma compreensão completa dos fenómenos preparatórios para desenvolver futuros sistemas de alerta.

Uma monitorização mais abrangente de terremotos, juntamente com registos sísmicos de longo prazo, pode melhorar a capacidade de reconhecer processos de preparação para terremotos a partir de outros sinais de deformação regional.

Os autores sugerem que o desenvolvimento de sistemas de alerta sísmico exigiria mais redes de deteção locais e regionais, bem como a monitorização de falhas secundárias, que acompanham as principais falhas de rutura.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com