Conecte-se connosco

Crimes

Governo quer negociação de penas em todo o tipo de crimes, incluindo homicídios e violações

Publicado

em

Executivo aproveita medida que constava do pacote de combate à corrupção para alargar proposta de negociação de penas a todo o tipo de crimes, mesmo os mais graves e com penas mais elevadas.

De acordo com o Observador e o Público, o Governo quer permitir que os condenados por todos os tipos de crimes, incluindo homicidas e violadores, possam negociar as respetivas penas, avança o jornal Público. A proposta de aplicar este tipo de negociação fazia parte do pacote de combate à corrupção que o Governo submeteu ao Parlamento, mas esperava-se que se aplicasse apenas a crimes da área financeira. O executivo pretende, no entanto, que a medidas seja aplicada a todo o tipo de crimes (incluindo homicídios e casos de abuso sexual), tendo por objetivo permitir que vários casos judiciais — mediante confissão — tenham poucas sessões de julgamento. A ideia é que isso contribua para aliviar os tribunais e acelerar a justiça.

No debate que tem sido feito sobre o tema, quer nas declarações públicas da ministra da justiça, quer no que decorre no Parlamento, nunca foi referido que o objetivo era alargar esta hipótese de renegociação a todo o tipo de crimes.

O mecanismo proposto é que, ainda antes do julgamento, o acusado confesse o crime e inicie nesse momento um processo de negociação de redução da pena máxima a que poderia ser condenado. A última palavra sobre este acordo, lembra o Público, ficará sempre nas mãos do juiz. A proposta do executivo prevê também que a condenação pode ser suspensa caso a pena máxima não seja superior a cinco anos ou ser apenas prisão domiciliária caso não seja superior a dois anos.

Num parecer entregue ao Parlamento, citado pelo jornal Público, o Conselho Superior do Ministério Público avisa que esta medida implica “uma alteração substancial no paradigma do processo penal português”.

aves e com penas mais elevadas.

 

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade