Vamos

Galo de Barcelos confronta Salazar em Coimbra

Notícias de Coimbra com Lusa | 4 semanas atrás em 17-05-2024

Imagem: Jornal de Notícias

“Cantar de Galo”, da Mala Voadora, coloca em cena o Galo de Barcelos em confronto com o ditador Salazar, num vídeo alterado para “manipular um fascista para que diga a verdade”. O espetáculo estreia este sábado, 18 de maio, no Porto e segue depois em digressão pelo país.

PUBLICIDADE

O ator Jorge Andrade, que dirige o projeto, dá corpo ao galo ressuscitado e também emprestou cara e voz, depois manipulada digitalmente, um fenómeno conhecido por ‘deepfake’, ao ditador português.

A estreia, no sábado, e a récita de domingo, no espaço próprio da companhia, estão integradas na programação do Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica (FITEI). “Cantar de Galo” segue depois em digressão pelo país.

PUBLICIDADE

O texto do espetáculo é do norte-americano Robert Schenkkan, que recebeu o Prémio Pulitzer de 1992 pela peça “The Kentucky Cycle”, criado durante uma residência artística no Porto.

“Eu pouco sabia do galo de Barcelos, da versão oficial. (…) [O Roberto] via estas prateleiras todas, cheias de souvenirs, e inteirou-se sobre aquela história, foi estudar. Houve ali uma intuição de a história não bater muito certo, e eu já sabia do António Ferro”, conta Jorge Andrade, após um ensaio de imprensa com jornalistas.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

Assim, o público encontrará, em cena, um Jorge Andrade vestido de galo que conta a história ‘oficial’ da propaganda do Estado Novo, que António Ferro desenvolveu aquando de um Congresso Internacional da Crítica e que elevou uma história a símbolo nacional.

O conto, de que o galo, já morto e cozinhado, teria cantado três vezes e, com isso, salvado a vida de um peregrino condenado à forca, é aqui contado até que o ditador interrompe o momento para discutir com o bicho.

“Pensei que, dentro destas coisas populistas e fascistas, de manipulação de massas com recurso a estas tecnologias, como as ‘troll farms’ que existiam, até antes de a Ucrânia ser invadida, podia ser bom dar-lhes do veneno que nos dão, manipular um fascista para dizer a verdade”, explica o ator.

Num registo que combina uma mesa de café, com cervejas e cigarros, com a conferência, as duas figuras travam-se de razões, até que o galo mostra a Salazar “como foi aldrabado”.

Salazar é, a certo ponto, confrontado com o seu gradual esquecimento, enquanto figura nefasta na História de Portugal, e para aqueles que procuram ‘ressuscitá-lo’ para mais do que fins satíricos, a resposta do espetáculo é “ele assumir a manipulação”.

“Como se convence as pessoas a passar mal e pobremente? Instiga-se esta coisa como se fosse uma cultura. ‘Não, a tua pobreza é uma honra de um tempo mais genuíno e mais próximo’. É aquela coisa de ‘o que faz falta é trabalhar’. Só que aquilo é inventado”, resume Jorge Andrade.

Este “orgulho nacional espetacularizado” dá-lhe um tom de vaidade, até pela aglomeração das figuras de Salazar e Ferro, por necessidade de manter o espetáculo num monólogo, e é aqui rebatido em cena, num duelo entre verdade e manipulação.

Do outro lado, um galo que questiona a sua história, que exige respostas, vem de um tempo medieval para encontrar na atualidade não só o turismo, mas também conceitos como a autoridade policial, o preconceito contra forasteiros, parte dos “maus velhos tempos”, como lhes chama, lembrando que a pena de morte ainda se pratica em países como o Irão, a China e os Estados Unidos.

“Então, acabaram-se os factos?”, pergunta, a dada altura, o galo a Salazar. “Quem é que quer saber dos factos?”, retorque o ditador.

Depois do FITEI, o espetáculo é apresentado no Centro Cultural de Paredes de Coura (24 de maio), no Teatro Viriato em Viseu (28 e 29), no Teatro Paulo Quintela, em Coimbra (12 de junho), em Cercal do Alentejo (21), em Alvalade (22), Braga (23 e 04 de outubro), com a possibilidade dos Estados Unidos ainda em cima da mesa.

A 47.ª edição do FITEI decorre até 26 de maio e passa por 14 palcos diferentes no Porto, Vila Nova de Gaia, Matosinhos e Viana do Castelo, com nove espetáculos internacionais e várias estreias nacionais em cartaz, num ano sob o tema “Trauma, Bravura e Fantasmagorias”.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE