Conecte-se connosco

Cinema

Festival Caminhos do Cinema Português pode sair de Coimbra!

Publicado

em

Pela primeira vez o auditório do Conservatório de Música de Coimbra recebeu uma sessão do Festival Caminhos do Cinema Português, que em 2015 adoptou a designação Caminhos Film Festival.

0

A primeira noite  do Festival começou com um jantar no Restaurante Solar do Bacalhau, onde a organização recebeu patrocinadores, entidades e e algumas das personalidades que constituem os vários júris.

Maria Vieira, Ana Rocha, Sílvia Almeida, Afonso Pimentel, Lauro António ou Joaquim Leitão foram algumas das personalidades do mundo de cinema que marcaram presença neste evento de boas-vindas.

A cerimónia de abertura no Conservatório de Música de Coimbra  iniciou-se com a projecção  Nunca é Tarde, curta-metragem rodada em Coimbra e produzida durante a edição anterior do curso de Cinemalogia.

Falando durante este acto, Vítor Ferreira, director do Festival,  lamentou que Coimbra não dê o apoio que o festival merece, o que pode obrigar à sua deslocalização “para locais onde sejamos melhor recebidos”, palavras que foram ouvidas na Plateia pela Vereador Carina Gomes e a Vice-Reitora Clara Almeida Santos.

Sem referir nomes, nem entidades, Vítor Ferreira prosseguiu com as suas criticas: “Somos anualmente enfrentados com novos ordálios, especialmente criados por aqueles que se dizem interessados na divulgação da cultura nacional”. “Não estamos a realçar um franco lapso de apoio, chamamos antes a atenção para uma tentativa proactiva, felizmente incapaz, de sabotar este festival”.

O responsável por esta XXI edição do Festival dos Caminhos do Cinema Português recordou que se o Conservatório não tivesse cedido a sala, o evento teria de ser encurtado, pois, segundo apuramos,  este ano deixou de ser possível realizar todo o certame no TAGV.

A sessão inaugural prosseguiu com a exibição da curta-metragem Lei da Gravidade, de Tiago Rosa-Rosso, onde duas personagens de um filme português que questionam a sua própria existência dentro da sétima arte lusa.

O documentário O Dr. Adrián e os 5 Senhores, de Francisco Moura Relvas, onde é abordado o tema da esquizofrenia através de diferentes dimensões factuais presentes nos depoimentos do director clínico do Centro Hospitalar Conde Ferreira e de cinco dos seus pacientes, encerrou a primeira noite do festival.

São mais de cinquenta sessões que se irão dividir este ano entre o Auditório do Conservatório da Música de Coimbra, o Teatro Académico Gil Vicente, Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e, pela primeira vez, as salas de cinema NOS do Fórum Coimbra.

Um total de cento e noventa e oito obras cinematográficas a serem exibidas ao público entre 27 de novembro e 5 de dezembro, divididas entre as várias secções do festival.

A cerimónia de encerramento do festival está marcada para dia 4 de Dezembro, no Teatro Académico Gil Vicente, onde serão revelados os vencedores dos prémios atribuídos pelos Júris da edição deste ano do Caminhos Film Festival.

Veja imagens no Facebook de Notícias de Coimbra. Clique aqui

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com