Conecte-se connosco

Região

Federação Minha Terra anuncia 760 empregos criados no Centro e reclama mais apoios europeus

Publicado

em

A Federação Minha Terra (FMT) revelou hoje que 760 empregos foram criados na região Centro nos últimos meses com apoio comunitário pelos Grupos de Ação Local (GAL) e admitiu que esse número duplicaria com reforço das verbas disponíveis.

O total de postos de trabalho criados, desde setembro de 2020, nos mais de 70 municípios do Centro de Portugal com ajudas do Sistema de Apoio ao Emprego e Empreendedorismo +CO3SO Emprego, com avisos lançados pelos GAL, “poderia duplicar” se todos “os projetos com mérito fossem aprovados”, afirma a FMT em comunicado.

“Houve uma grande adesão dos agentes económicos e das instituições. Apesar de um reforço substancial dos apoios, muitas candidaturas com mérito ficaram de fora”, disse à agência Lusa a vice-presidente da organização, Ana Souto.

A também coordenadora da Associação de Desenvolvimento do Ceira e Dueça (Dueceira), com sede na Lousã, distrito de Coimbra, presidida pelo autarca Luís Antunes, adiantou que, “apesar do reforço substancial das dotações” por parte da autoridade de gestão do Programa Operacional Centro 2020, “um elevado número de projetos com mérito aguardam ainda a decisão definitiva”.

A decisão final, segundo a dirigente, “carece de uma maior alocação de verbas por parte da tutela, que a ocorrer permitiria a criação de centenas de postos de trabalho, para além dos 760 que correspondem às candidaturas já aprovadas” no Centro do país.

Os montantes iniciais dos avisos de concurso abertos pelos GAL, no âmbito do +CO3SO Emprego, abrangem as componentes “Interior”, “Urbano” e “Empreendedorismo social”.

“Tratando-se de uma iniciativa que visa essencialmente criar condições para a melhoria dos territórios social e economicamente mais fragilizados do país, a Federação Minha Terra (…) tem vindo a assumir esta tomada de posição junto das tutelas e voltou a afirmá-lo”, na segunda-feira, em reunião do Comité de Acompanhamento do Centro 2020, informa.

Na nota, a FMT, que representa 60 GAL, 24 dos quais na região Centro, salienta “a necessidade de serem envidados todos os esforços para uma efetiva equidade de entendimentos e procedimentos que conduzam a uma real coesão territorial, com o reforço das dotações em falta para a concretização de projetos empresariais e sociais cruciais para a consolidação das dinâmicas locais”.

“A procura por parte das empresas e entidades da economia social pelos apoios à criação de emprego, através do +CO3SO Emprego dinamizado pelos GAL, ultrapassou largamente as dotações disponíveis, logo na primeira fase dos avisos de concurso, em setembro de 2020″, sublinha.

Para a federação, “na fase que o país e a região atravessam, quando se agitam os milhões da bazuca europeia, não é fácil explicar aos empreendedores, que querem investir e criar emprego, que os seus projetos com mérito ficam sem dotação financeira para avançar”.

Ana Souto assina o documento hoje distribuído, que acentua a importância do reforço de apoios, “principalmente numa fase de crise conjuntural” associada à atual pandemia da covid-19.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com