Conecte-se connosco

Portugal

Estudo revela que pandemia afetou desproporcionalmente jovens e pessoas com baixos rendimentos

Publicado

em

A pandemia de covid-19 afetou desproporcionalmente os jovens e as pessoas com baixos rendimentos, com 48% dos portugueses a considerarem que estão agora mais pobres do que antes da crise sanitária, segundo um estudo da Intrum.

De acordo com as conclusões do European Consumer Payment Report (ECPR) da Intrum, “a pandemia afetou desproporcionalmente os diferentes países e grupos demográficos. Embora a situação de emprego da maioria não tenha sido diretamente afetada, quase quatro em cada 10 europeus (37%) dizem que estão mais pobres hoje, do que antes do início da crise. Em Portugal, este valor sobe para 48%”, sendo que “pessoas com baixos rendimentos familiares foram particularmente afetadas, aumentando a desigualdade económica na sociedade”.

Em entrevista à Lusa, Luís Salvaterra, diretor-geral da Intrum Portugal, destacou que “o impacto da covid-19 na economia não afetou todos por igual e sim as pessoas que têm menos rendimentos e com trabalhos mais precários”, salientando que no caso “das pessoas que conseguiram manter o emprego e os rendimentos até houve um certo incremento da poupança”, mas que “trabalhos mais precários nos setores mais afetados registaram uma redução nos rendimentos e isso leva a que também tenham mais dificuldade em pagar as suas contas e uma diminuição no seu bem-estar financeiro”.

De acordo com o responsável, houve “um aumento das desigualdades. As pessoas mais novas foram as mais afetadas”, visto que “o [seu] tipo de emprego é o mais afetado”. Para Luís Salvaterra este é um “problema grande em termos de futuro, porque ou leva à emigração ou a uma situação de salários baixos, nivelando o salário médio por baixo”.

No estudo, a Intrum concluiu que “que 40% dos portugueses afirmam que após o pagamento das contas lhes sobra menos de 10% do seu rendimento, sendo provável que muitos tenham dificuldades em suportar um aumento geral nos preços”.

Por outro lado, “sobre a capacidade de pagar as contas nos prazos, o estudo revela que 23% dos portugueses afirmam que pelo menos uma vez nos últimos 12 meses, não ter feito o pagamento no prazo acordado, situação que ocorre com caráter regular para 31% dos inquiridos, valor substancialmente abaixo da média europeia, que se situa nos 44%”.

Segundo o estudo, “43% dos inquiridos refere a falta de dinheiro como a principal razão para não pagar as contas nos prazos. Uma melhoria significativa em 12 pontos percentuais em comparação com 2020 (55%)”, indicou a Intrum, sendo que “a média europeia situou-se nos 40%”.

Paralelamente, de acordo com o estudo da Intrum, devido à pandemia “alguns europeus estão a contrair dívidas adicionais em 2021. 26% dizem que pediram dinheiro emprestado ou atingiram o limite do cartão de crédito para pagar as suas contas nos últimos 6 meses”, sendo que “em Portugal, a percentagem é igual à média europeia (26%), tendo aumentando três pontos percentuais em relação a 2020”.

O estudo mostra que “25% dos europeus pede emprestado mensalmente, um valor equivalente a 10/25% dos seus rendimentos mensais”, e em Portugal, “este valor situa-se em 23%”.

A Intrum descobriu ainda que “a principal razão para poupar em Portugal é para fazer face a despesas inesperadas,”, visto que é “o que afirmam 81% dos inquiridos”, com a perda de emprego ou de outro rendimento, a surgir em segundo lugar (50%) e na terceira posição, aparece a reforma (35%)”.

Segundo Luís Salvaterra, estes dados mostram que “as pessoas estão a poupar mais e a gerir melhor as suas poupanças”.

O estudo ECPR baseia-se num inquérito externo realizado simultaneamente em 24 países na Europa, com um total de 24.012 consumidores a participarem na edição de 2021 do inquérito. Em Portugal foram cerca de mil, sendo que o trabalho de campo para o estudo foi realizado entre 21 de julho e 26 de agosto de 2021.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link