Conecte-se connosco

Mundo

Estudo: Pessoas com dificuldades de aprendizagem mais vulneráveis à Covid-19

Publicado

em

Os resultados do estudo foram publicados na revista ‘The BMJ’.

De acordo com o Notícias ao Minuto, de acordo com um novo estudo, publicado na revista ‘The BMJ’, pessoas com dificuldades de aprendizagem e com Covid-19 têm cinco vezes mais chances de serem hospitalizadas e oito vezes mais chances de morrer em comparação com a população geral de Inglaterra. O estudo mostrou que os riscos foram particularmente elevados para aqueles com deficiências de aprendizagem graves a profundas, síndrome de Down e paralisia cerebral.

Para chegar a esta conclusão, a equipa de investigadores do Reino Unido propôs-se a descrever o risco de admissões hospitalares e mortes relacionadas com a Covid-19 entre crianças e adultos com dificuldades de aprendizagem em Inglaterra, em comparação com a população em geral. Os resultados são baseados em registos de saúde eletrónicos de mais de 17 milhões de pessoas de uma clínica geral.

Dados de 14.312.023 adultos e 2.627.018 crianças foram analisados ​​em ambas as ondas da pandemia. A primeira onda (registada de 1 de março de 2020 até 31 de agosto de 2020); e a segunda onda (registada em 1 de setembro de 2020 até 8 de fevereiro de 2021).

Entre 90.307 adultos no registo de deficiência de aprendizagem, 538 (0,6 por cento) tiveram uma admissão hospitalar relacionada à Covid-19; 222 (0,25 por cento) mortes relacionadas com a Covid e 602 (0,7 por cento) mortes não relacionadas. Entre os adultos não registados, 29.781 (0,2 por cento) tiveram uma admissão hospitalar relacionada à Covid-19; 13.737 (0,1 por cento) mortes relacionadas com Covid-19 e 69.837 (0,5 por cento) mortes não relacionadas com Covid.

Depois de ter em consideração fatores como idade, sexo, etnia e localização geográfica, os adultos no registo de deficiência de aprendizagem tiveram um risco cinco vezes maior de internamento hospitalar relacionado com a Covid-19 e um risco oito vezes maior de mortes relatadas do que adultos não registados.

As taxas foram mais altas entre aqueles com deficiências de aprendizagem graves a profundas do que aqueles com dificuldades de aprendizagem mais leves. Padrões semelhantes foram observados em crianças, mas os autores enfatizam que os riscos de internamento hospitalar e morte entre crianças eram pequenos.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade