Assinaturas NDC

Apoie a nossa missão. Assine o Notícias de Coimbra

Mais tarde

Saúde

Estudo conclui que excesso de iodo tem influência no desempenho cognitivo

Notícias de Coimbra com Lusa | 10 meses atrás em 27-04-2023

Um estudo com mais de 2.000 crianças em idade escolar da região Norte, que vai ser hoje apresentado, concluiu que o excesso de iodo tem influência no desempenho cognitivo.

PUBLICIDADE

O trabalho, desenvolvido por um conjunto de investigadores de instituições como o Instituto Universitário de Ciências da Saúde – CESPU, das faculdades de Medicina e de Farmácia da Universidade do Porto, da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa, entre outras, dá seguimento a um outro estudo que já havia concluído que a deficiência de iodo também prejudica o desenvolvimento cognitivo.

Neste estudo, que será hoje apresentado no Congresso Internacional da TOXRUN, Unidade de Investigação em Toxicologia do Instituto Universitário de Ciências da Saúde – CESPU, foram analisados os níveis de iodo e o Quociente de Inteligência (QI) de cerca de 2.000 crianças entre os 05 e os 12 anos de escolas da região Norte.

Em declarações à Lusa, Sandra Leal, uma das investigadoras envolvidas, alertou para a importância destes dados para ajustar políticas públicas: “níveis [de iodo] acima [dos normais] também têm uma associação com QI mais baixo, ou seja, medidas que sejam muito generalistas têm de se ter cuidado”.

“Carência é mau, mas excesso poderá também não ser muito bom”, sublinha.

O intervalo das doses diárias de iodo recomendadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) varia consoante a idade e estão agrupados em quatro níveis: 90 microgramas para crianças até aos 5 anos, 120 microgramas para crianças entre os 6 e os 11 anos e 150 microgramas para adolescentes adultos e idosos. Para grávidas e lactantes, as necessidades diárias são de 250 microgramas.

Neste estudo, os investigadores concluíram que uma maior proporção de crianças com níveis acima dos recomendados apresentava QI abaixo da média, o mesmo que tinha sido observado para os que tinham deficiência de iodo.

Confessando que os investigadores foram surpreendidos com estes resultados, Sandra Leal chama a atenção para a importância de ajustar as políticas públicas de promoção de saúde em função das características da população depois de feito o diagnóstico.

“Mesmo as políticas de promoção têm que ter, têm que ser ajustadas à realidade socioeconómica [da população]”, acrescenta.

O iodo é um oligoelemento essencial ao normal funcionamento do organismo e a única forma de o obter é a partir da alimentação, pois não é produzido pelo corpo, e serve para manter em equilíbrio os processos metabólicos do crescimento e desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso.

Os alimentos mais ricos em iodo são os de origem marinha, como por exemplo a cavala, mexilhão, bacalhau, salmão, pescada, berbigão ou camarão, mas também existe no leite, ovo ou fígado.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com