Coimbra

Estão “reunidas as condições” para bienal de Coimbra acabar

Notícias de Coimbra | 1 mês atrás em 10-04-2024

O Círculo de Artes Plásticas de Coimbra (CAPC), entidade que coorganiza e produz a Anozero, diz que estão “reunidas as condições” para a bienal acabar, face ao avançar do processo de transformação do Mosteiro de Santa Clara-a-Nova num hotel.

PUBLICIDADE

A empresa Soft Time, que já tinha ganhado o concurso para o Mosteiro do Lorvão, em Penacova, venceu o procedimento público para a transformação do Mosteiro de Santa Clara-a-Nova, em Coimbra, num hotel, informou hoje a Turismo de Portugal, referindo que a fase pré-contratual do concurso foi dada como encerrada.

“É uma péssima notícia para nós”, afirmou à agência Lusa o diretor do CAPC, Carlos Antunes, que sempre criticou aquele concurso público, considerando que não eram asseguradas as condições para a bienal continuar a acontecer naquele monumento (assegurava um espaço reduzido de cerca de 600 metros quadrados de dois em dois anos e por um período curto).

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

Segundo Carlos Antunes, as obrigações associadas às candidaturas ao Revive, programa de requalificação de património para fins turísticos, “não garantiam as condições para a atividade da bienal”.

PUBLICIDADE

“Sem alternativa, a bienal acaba. O senhor presidente [da Câmara de Coimbra] avançou com um cenário novo que acho que não serve a bienal e, portanto, estão reunidas as condições para a bienal acabar”, afirmou, fazendo alusão à possibilidade avançada por José Manuel Silva, na inauguração da bienal, no sábado, de a Anozero passar a ter como espaço central o antigo Pediátrico de Coimbra.

Apesar de não saber até quando é que o Mosteiro estará disponível para a arte contemporânea, Carlos Antunes vinca que é fundamental encontrar o quanto antes “uma solução de futuro para a bienal”.

“Se isto não se resolver com celeridade, teremos de suspender o ‘solo show’ [exposição a solo que intercala com a bienal, em 2025]. Na inauguração da bienal, disse que aquele era o dia pelo qual mais esperávamos. Hoje é o dia que tanto desejávamos que não acontecesse”, disse o diretor do CAPC.

Na altura da inauguração da bienal, José Manuel Silva deu como possibilidade para a continuação da Anozero o antigo Pediátrico de Coimbra, para o qual a Câmara também já assumiu a vontade de avançar com um projeto para o transformar num Centro Transdisciplinar de Apoio à Criação Artística.

À agência Lusa, Carlos Antunes disse que não conhece o espaço e que apenas sabe “que são ruínas”.

“Ruínas é tudo aquilo que não precisamos. A precariedade absoluta marcou os primeiros dez anos da bienal. Esse período acabou”, asseverou, referindo que nunca foi convidado a visitar o espaço, apesar de estar disponível para o fazer.

Para Carlos Antunes, é preciso “um plano de intervenção, com prazos e condições”, sublinhando que está sempre disponível para fazer “pontes” e encontrar soluções, mas recordou que irá sempre defender “de forma obstinada o respeito pela arte e pelos artistas”.

Questionado pela agência Lusa sobre se tem alguma reunião marcada com a Câmara para debater o assunto, o diretor do CAPC disse que nunca foi convocado para reunião “dessa espécie sobre o Pediátrico ou lugar nenhum”.

“A bienal é um lugar de esperança e futuro. Ou há um sinal claro da importância do nosso trabalho ou então não vale a pena. A dimensão quixotesca acabou e, ou há sinal da tutela e do município da absoluta relevância deste projeto, ou ele deixa de existir”, acrescentou.

A agência Lusa procurou uma reação da Câmara de Coimbra à informação sobre o concurso para o Mosteiro de Santa Clara-a-Nova, mas o município recusou-se a comentar, por ainda não ter sido notificado oficialmente sobre o processo.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE