Coimbra

Ernesto Costa é candidato a Reitor da Universidade de Coimbra

Notícias de Coimbra | 5 anos atrás em 14-11-2018

Ernesto Costa anunciou hoje a sua candidatura à liderança da Universidade de Coimbra, cujas eleições decorrem no início de 2019, propondo “uma estratégia de mudança agregadora” para ganhar o futuro.

PUBLICIDADE

Ernesto Costa, professor catedrático da Universidade de Coimbra (UC), no Departamento de Engenharia Informática, refere que avança com a candidatura ao cargo de reitor por considerar que a instituição “não pode ser a Universidade das oportunidades perdidas”.

PUBLICIDADE

“A UC tem uma história e um património ricos de que somos herdeiros e que temos obrigação de defender e valorizar. Estou preparado para assumir o cargo de reitor da UC com uma estratégia de mudança agregadora que, sem perder de vista o valor histórico e cultural do seu passado, se oriente, se realize e se cumpra no futuro”, justifica.

PUBLICIDADE

publicidade

Ernesto Costa lembra que nos últimos seis anos fez parte do Conselho Geral da Universidade [saiu para assumir a candidatura], tendo participado “ativamente nos debates importantes para o futuro” e “apresentado diversas propostas relevantes para o seu governo e funcionamento, bem como para a definição de políticas necessárias para o Ensino Superior”.

“Esta participação ativa permitiu-me conhecer em profundidade os problemas do setor em geral e da nossa Universidade em particular”, salienta.

PUBLICIDADE

Após “profunda e demorada reflexão”, o professor decidiu candidatar-se ao cargo de reitor “por um imperativo de cidadania, mobilizando vontades num projeto inclusivo – de, com e para as pessoas – apostado numa missão: mudar a Universidade para ganhar o futuro”.

“Num tempo de crises várias, tenho plena consciência dos enormes desafios que a sociedade contemporânea impõe às Universidades. Reconheço a dificuldade de satisfazer, com qualidade e responsabilidade social, a tripla missão em que estas se deverão cumprir: a de investigar, ensinar e valorizar o conhecimento”, esclarece.

Segundo Ernesto Costa, “num contexto difícil, de que o subfinanciamento público é apenas uma das facetas, muitas Universidades optam por uma lógica de sobrevivência a curto prazo e, incapazes de pensar para além da conjuntura, correm o risco de hipotecar o seu futuro”.

“É minha convicção que a UC precisa urgentemente de adotar uma estratégia arrojada e diferenciadora que, em estreita ligação com a cidade e a região, lhe permita aparecer à sociedade como um polo de investigação de renome mundial”, defende.

Este é o terceiro candidato assumido a reitor da Universidade de Coimbra, depois de o diretor da Faculdade de Letras, José Pedro Paiva, e do vice-reitor Amílcar Falcão terem já assumido a pretensão de lideraram a mais antiga instituição do ensino superior de Portugal.

Segundo uma deliberação do Conselho Geral da Universidade de Coimbra de 25 de junho, a apresentação de candidaturas a reitor decorre até 07 de janeiro de 2019, sendo que a reunião plenária do Conselho Geral para a eleição do reitor ocorre a 11 de fevereiro.

O atual reitor, João Gabriel Silva, cumpre em 2019 o fim do seu segundo mandato à frente da Universidade de Coimbra.

Ernesto Costa, durante da sua carreira académica, tem ocupado vários cargos de gestão científica e universitária, nacional e internacionalmente.

Em 1993, participou na fundação da Universidade Independente, tendo sido o seu primeiro reitor, com a missão de definir e implementar todo o seu projeto educativo. Foi também um dos fundadores do Departamento de Engenharia Informática da Universidade de Coimbra (DEIUC) e o seu primeiro presidente eleito.

A sua área de interesse científico é a Inteligência Artificial, tendo vindo a trabalhar em Computação Evolucionária, Vida Artificial, Sistemas Complexos, Aprendizagem Automática, Cognição e Biologia Computacional.

Nascido em Coimbra em 1953, Ernesto Costa foi orientador de diversos alunos de mestrado e de doutoramento, em Portugal e no estrangeiro. A pedido da UNESCO, organizou e coordenou atividades de formação em informática em países de língua oficial portuguesa (Cabo Verde e São Tomé e Príncipe), tendo ainda participado no projeto de formação EDDI para os primeiros engenheiros informáticos da Universidade Agostinho Neto, em Angola. Em 2013, integrou a equipa criada pela Fundação das Universidades Portuguesas que trabalhou na reorganização da Universidade Nacional de Timor Lorosae.

Veja a declaração de Ernesto Costa: 

Nos últimos seis anos fiz parte do Conselho Geral da Universidade de Coimbra. Durante este período participei ativamente nos debates importantes para o futuro da Universidade de Coimbra, tendo apresentado diversas propostas relevantes para o seu governo e funcionamento, bem como para a definição de políticas necessárias para o Ensino Superior. Esta participação ativa permitiu-me conhecer em profundidade os problemas do sector em geral e da nossa Universidade em particular.

Este é o tempo certo para avançar com uma proposta para os próximos quatro anos. O momento atual da nossa Universidade requer não apenas a responsabilidade como também um compromisso de mudança. Não poderia, por isso, ficar indiferente à obrigação de apresentar um projeto que represente uma alternativa. Após  profunda e demorada reflexão, decidi candidatar-me ao cargo de Reitor da Universidade de Coimbra por um imperativo de cidadania, mobilizando vontades num projeto inclusivo – de, com e para as pessoas – apostado numa missão: mudar a Universidade para ganhar o futuro.

 

Num tempo de crises várias, tenho plena consciência dos enormes desafios que a sociedade contemporânea impõe às Universidades. Reconheço a dificuldade de satisfazer, com qualidade e responsabilidade social, a tripla missão em que estas se deverão cumprir: a de investigar, ensinar e valorizar o conhecimento. Num contexto difícil, de que o subfinanciamento público é apenas uma das facetas, muitas Universidades optam por uma lógica de sobrevivência a curto prazo e, incapazes de pensar para além da conjuntura, correm o risco de hipotecar o seu futuro. É minha convicção que a Universidade de Coimbra precisa urgentemente de adotar uma estratégia arrojada e diferenciadora que, em estreita ligação com a Cidade e a Região, lhe permita aparecer à sociedade como um polo de investigação de renome mundial.

A mudança que reivindico, e com a qual me comprometo, começa com a alteração do relacionamento entre o governo da Universidade e os seus membros, consubstanciada numa lógica de diálogo que reconheça a dimensão estratégica da investigação e a necessidade da sua  coordenação efetiva; que reforce a dimensão internacional da Universidade e promova a multiculturalidade; que se preocupe com as questões da cidadania, abarcando propostas concretas para tornar realidade a igualdade de género; que tenha consciência das implicações profundas da revolução digital para o processo de ensino/aprendizagem; que aprofunde as ligações inextricáveis entre a Universidade e a Sociedade; que permita à Universidade de Coimbra retomar o seu papel de interveniente nos grandes debates do nosso tempo através do exercício do pensamento crítico; e que promova uma colaboração mutuamente benéfica entre os seus diferentes órgãos, em particular entre o Reitor e o Conselho Geral.

A Universidade de Coimbra não pode ser a Universidade das oportunidades perdidas. A Universidade de Coimbra tem uma história e um património ricos de que somos herdeiros e que temos obrigação de defender e valorizar. Estou preparado para assumir o cargo de Reitor da Universidade de Coimbra com uma estratégia de mudança agregadora que, sem perder de vista o valor histórico e cultural do seu passado, se oriente, se realize e se cumpra no futuro”.

Notícia em desenvolvimento

 

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com