Conecte-se connosco

Desporto

Elfyn Evans lidera Vodafone Rally de Portugal em dia de hecatombe dos Sébastien

Publicado

em

Vencedor da prova em 2021, o britânico Elfyn Evans apresentou, esta sexta-feira, a candidatura a um segundo triunfo consecutivo no Vodafone Rally de Portugal, terminando o dia com 13,6 segundos de vantagem sobre o seu companheiro na Toyota, Kalle Rovanperä. O veterano Dani Sordo, terceiro classificado, é o resistente da Hyundai, numa etapa que condenou as aspirações de três campeões do Mundo: Sébastien Loeb (que ainda chegou a passar pela liderança), Sébastien Ogier e Ott Tänak. Enchente nas emblemáticas especiais de terra da região Centro e na sempre espetacular Super Especial de Lousada, que também recebeu os emblemáticos Grupo B, voltou a validar a qualidade organizativa do ACP. Amanhã, sábado, cumpre-se a penúltima e mais longa etapa da prova. 

O melhor rali do mundo é, provavelmente, também um dos mais duros. As primeiras especiais de terra da nova era dos WRC híbridos mostraram que o Vodafone Rally de Portugal é um desafio único, a diferentes níveis. Até lendas do automobilismo mundial, como Sébastien Loeb e Sébastien Ogier, não conseguiram superar a exigência da primeira das três etapas do rali. 

Aos 48 anos, Loeb deu uma lição de classe na última classificativa da manhã, a primeira passagem por Arganil, onde o francês da M-Sport Ford bateu toda a concorrência e passou a liderar a prova, por 0,5s. Só que o ‘estado de graça’ do alsaciano, nove vezes campeão do Mundo, só durou mais 20 metros no troço seguinte. Logo na primeira curva da especial da Lousã, segundos após ter arrancado, Loeb deu um toque numa barreira de betão, que partiu a suspensão traseira do Ford Puma Rally1. “Foi o erro mais estúpido da minha carreira”, afirmou, desolado, o veterano piloto francês. Primeiro Sébastien ‘out’. 

Seguiu-se Sébastien Ogier. O recordista de vitórias em Portugal regressou ao WRC para receber novo banho de multidão… e tentar desempatar com Markku Alén. Numa secção da tarde demolidora – com o quarteto Lousã, Góis, Arganil e Mortágua -, Ogier foi um dos pilotos que arriscou partir para essa secção só com um pneu suplente na mala do Toyota, tentando poupar 20 kg de peso no carro. Erro fatal. Embora vencendo a primeira especial da tarde, o francês furou na classificativa seguinte (Góis 2) e, logo a seguir, em Arganil 2, sendo obrigado a abandonar por não ter mais nenhum pneu suplente. 

O terceiro campeão do Mundo a ficar fora da luta pela vitória foi Ott Tänak. O estónio da Hyundai estava a 10,8s da liderança quando furou na sexta classificativa do dia (Góis 2) e passou a estar a 1m53s de Elfyn Evans. Tal como Ogier, Tänak voltou a furar em Arganil 2, mas tinha um segundo pneu suplente no i20 N Rally1 e conseguiu completar o dia no 10.º lugar da geral, mas já a 3m38s do líder. 

Thierry Neuville passou, então, a concentrar as atenções da Hyundai, mas o belga entrou no troço de Mortágua a 7s do primeiro lugar… e saiu de lá a 1m32s! Na ligação para esse troço, o Hyundai de Neuville teve problemas de transmissão, que depois se viriam a agravar durante a classificativa, fazendo a Super Especial de Lousada só com três rodas motrizes.  

No meio desta hecatombe, os Toyota de Elfyn Evans e Kalle Rovanperä emergiram do pó na frente da geral e escaparam à hecatombe de furos, com o galês a aproveitar a posição de partida (nono na estrada) para chegar ao final do dia com 13,6s de vantagem sobre o menino-prodígio dos ralis mundiais.  

A ‘limpar’ a estrada durante 121,67 quilómetros demolidores, Rovanperä mostrou o talento que o levou ao topo do Mundial com apenas 21 anos, representando uma séria ameaça a Evans na etapa deste sábado.  

Dezoito anos mais velho do que Rovanperä, o experiente Dani Sordo ‘segurou’ as esperanças da Hyundai em subir ao pódio junto à praia de Matosinhos, no próximo domingo. O espanhol está a 44,4s de Evans, mas, a partir de amanhã (sábado), não terá a uma posição de partida tão vantajosa face aos Toyota, tendo, por outro lado, 5,2s de vantagem sobre outro Yaris GR Rally1, o do japonês Takamoto Katsuta. 

Se o dia da Hyundai foi complicado, o da M-Sport Ford foi ainda pior. Depois do ‘hara kiri’ de Sébastien Loeb na Lousã, Craig Breen também se atrasou com um pião na PE8 (Mortágua), estando nesta altura no 8.º lugar. Gus Greensmith é o melhor representante da equipa britânica, no 5.º posto, mas já a mais de um minuto de Elfyn Evans. 

No WRC2, o líder do campeonato, Andreas Mikkelsen (11º na geral), colocou o seu Skoda na frente após um furo no Hyundai de Teemu Sunninen. Os dois entram para o penúltimo dia separados por 37 segundos, com Yohan Rossel (Citroën) no terceiro posto e como espectador atento deste duelo.  

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link