Portugal

EDP repudia “atos de vandalismo” do grupo Climáximo no MAAT

Notícias de Coimbra com Lusa | 3 meses atrás em 03-12-2023

A EDP, proprietária do Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), repudiou hoje a ação do movimento de ativistas ambientais Climáximo, que hoje despejou tinta no edifício como forma de protesto contra a empresa.

PUBLICIDADE

“Partilhando das preocupações relativas aos desafios climáticos, a EDP repudia, porém, quaisquer atos de vandalismo”, refere a instituição, em comunicado.

PUBLICIDADE

Para a empresa, “o debate sobre a ação climática deve ser conduzido de forma construtiva, com a participação de todos – empresas, governos, cidadãos e associações – procurando-se sempre as melhores soluções para um planeta mais sustentável”.

PUBLICIDADE

publicidade

E nesse sentido, alega a EDP, a empresa “integra este esforço coletivo”, tendo começado “há várias décadas uma transição para fontes limpas de energia”, que representam atualmente 80% da sua energia a partir de tecnologias renováveis.

“A empresa está a investir 25 mil milhões de euros na transição energética até 2026, fechou em 2021 a sua central a carvão em Portugal e recentemente anunciou a transformação das restantes (em Espanha e no Brasil) com o objetivo de encerrar o uso de carvão até 2025”, recorda a EDP.

PUBLICIDADE

Os ativistas do grupo Climáximo pintaram hoje a fachada MAAT, em protesto contra a atividade da EDP na crise climática e o uso da sua fundação para “lavar a imagem”.

Segundo um comunicado do grupo ativista ambiental, duas pessoas terão sido detidas após escreverem na fachada e cobrirem de tinta vermelha a escadaria do MAAT.

Contactado pela Lusa, o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP adiantou que a situação ainda está a ser analisada e que os jovens terão sido apenas identificados, aguardando se haverá queixa para formalizar as detenções.

Na comunicado, o grupo Climáximo acusa a EDP de ser um dos maiores importadores de combustíveis fósseis para produzir energia em Portugal e considera a elétrica “diretamente culpada pelas mortes e destruição que advêm da crise climática”, condenando a população a “catástrofes a curto e longo prazo”.

“Estão ativamente a lucrar com a crise climática e do custo de vida, enquanto lavam a sua imagem com instituições, como a fundação EDP, ou metas de descarbonização a décadas de distância. Sabemos que as crises que causaram estão presentes hoje e agora na vida das pessoas, por isso, não podemos consentir com a sua normalidade”, referiu a porta-voz da ação de hoje, Ana Maria, citada no comunicado.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com