Empresas

Dona do Facebook vai cortar mais 10 mil postos de trabalho

Notícias de Coimbra com Lusa | 1 ano atrás em 14-03-2023

 A Meta, que detém o Facebook, Instagram e WhatsApp, vai cortar mais 10 mil postos de trabalho, recuando também nos planos para preencher 5.000 vagas que tinha aberto, segundo um comunicado hoje divulgado.

PUBLICIDADE

Na nota, assinada pelo presidente da companhia, Mark Zuckerberg, a Meta adiantou que “nos próximos meses” a sua gestão irá anunciar “planos de reestruturação” para tornar as organizações mais eficientes, “cancelando projetos de menor prioridade” e reduzindo o ritmo de contratações. O grupo irá, por isso, cortar no tamanho da sua equipa responsável pelas contratações.

A Meta destacou ainda que espera anunciar as reestruturações e rescisões nas empresas que gere entre o final de abril e de maio, mas em alguns casos pode levar até “ao final do ano”.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

“Globalmente, esperamos reduzir o tamanho da nossa equipa em cerca de 10 mil pessoas e encerrar perto de 5.000 postos adicionais que ainda não tinham sido preenchidos”, adiantou, na mesma nota.

PUBLICIDADE

Admitindo que este processo será “duro”, a Meta garantiu que “não há outra alternativa”.

Depois da reestruturação, a empresa diz que irá reverter o “congelamento de contratações e transferências” em cada grupo de sociedades que gere, sendo que o grupo pretende concluir no verão a sua análise dos resultados do ano de “trabalho híbrido”.

No final do ano passado, a Meta anunciou que iria despedir cerca de 11.000 trabalhadores, 13% da sua mão-de-obra.

Estes despedimentos, segundo disse Mark Zuckerberg na altura, tinham como objetivo a tornar a empresa mais ágil e eficiente e responder às mudanças no ambiente económico e empresarial.

No ano passado, os lucros da Meta caíram 41%, para 23.200 milhões de dólares (21.656 milhões de euros).

As tecnológicas têm sido afetadas pela inflação, pela fragilidade do mercado publicitário, aumento da concorrência e outros fatores.

No início deste ano, 12 tecnológicas mundiais já tinham anunciado a eliminação de mais de 74.000 empregos em 2023, sem contar com a redução anunciada pela Meta e Amazon, em novembro, de 21.000 pessoas.

De acordo com contas feitas pela Lusa, com base na informação divulgada por 12 das principais tecnológicas, a maioria norte-americanas, mais de 74.000 empregos vão ser cortados, onde se inclui a Alphabet, dona da Google, Microsoft, Disney e até o Spotify.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE