Coimbra

Doentes dos Hospitais de Coimbra começaram hoje a votar

Notícias de Coimbra com Lusa | 2 meses atrás em 26-02-2024

O estudante universitário Pedro Miguel Santos, de 20 anos, foi o primeiro doente dos Hospitais da Universidade de Coimbra (HUC) a exercer o direito de voto antecipado na Unidade Local de Saúde (ULS) de Coimbra.

PUBLICIDADE

“Sinto que tive de aproveitar a oportunidade que nos é concedida, dada a situação em que me encontro neste momento”, disse o jovem de Pombal, distrito de Leiria, que está a recuperar de um acidente de viação na unidade de ortopedia.

Aluno do curso de informática de gestão no Instituto Superior de Contabilidade e Administração de Coimbra, Pedro Santos soube da possibilidade de voto antecipado pela irmã através das redes sociais e quis votar “porque é um direito e um dever”.

PUBLICIDADE

publicidade

“Acho que todos devemos ter em atenção a taxa de abstenção, que é elevadíssima, cerca de 40%, que é um número que toda a gente deve ter em conta e que deve ser alarmante para toda a gente”, justificou.

Na mesa de voto esteve o presidente da Câmara de Coimbra, José Manuel Silva, que selou e introduziu o boletim de Pedro Santos na urna.

PUBLICIDADE

“É a primeira vez que estou numa mesa de voto nesta dupla função de presidente da Câmara e médico e achei que devia acompanhar as mesas de voto da ULS de Coimbra”, frisou o autarca, antigo bastonário da Ordem dos Médicos.

Durante a tarde de hoje votaram mais três doentes nos HUC, que, ao contrário de Pedro Santos, não se puderam deslocar ao local da urna de voto e tiveram de exercer o seu direito no leito das unidades de tratamento.

No seio da ULS de Coimbra, vão ainda exercer o voto antecipado até quinta-feira 49 doentes do Hospital Sobral Cid, um do Hospital Geral (Covões) e 11 do Centro de Medicina de Reabilitação da Região Centro Rovisco Pais, na Tocha (Cantanhede).

O presidente do conselho de administração, Alexandre Lourenço, salientou aos jornalistas que esta é uma resposta que pretende ser dada aos doentes para que exerçam o “seu direito cívico”.

“Temos a expectativa de alargar a um maior número de doentes, mas evidentemente que qualquer voto já é positivo”, realçou o dirigente, salientando que esta é uma “possibilidade crescente, a partir do momento em que as pessoas conhecem este tipo de iniciativa, mais facilmente vão aderir no futuro”.

O enfermeiro João Filipe explicou que o processo de voto antecipado dos doentes “é complexo, porque tem de se mediar a condição do doente”, que têm de se inscrever numa plataforma da Comissão Nacional de Eleições, e a logística acaba por ser mais complexa.

“Para nós, foi uma alegria ver o sentido altruísta dos doentes quererem votar, mesmo estando naquela condição”, sublinhou o elemento da comissão encarregue do voto dos doentes dos Hospitais da Universidade de Coimbra.

O exercício do direito de voto é feito de acordo com as orientações da Comissão Nacional de Eleições e cumprindo “todas as normas de segurança” na visita aos doentes votantes, acrescentou João Filipe.

Related Images:

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE