Política

Diz que Governo socialista “caiu de podre”

Notícias de Coimbra | 2 meses atrás em 09-12-2023

O líder do PSD/Madeira e presidente do executivo regional de coligação PSD/CDS-PP, Miguel Albuquerque, afirmou hoje que o Governo da República “caiu de podre” e apelou à mobilização dos militantes social-democratas nas eleições antecipadas de 10 de março.

PUBLICIDADE

“Mais uma vez vamos ser chamados a eleger os nossos representantes e os únicos representantes da Madeira que podem defender a Madeira junto da República, junto do Estado português, são os nossos”, disse, para logo reforçar: “Não tenham dúvidas que só os nossos deputados é que põem em primeiro lugar a defesa dos madeirenses”.

PUBLICIDADE

Miguel Albuquerque falava no jantar de Natal da estrutura regional do PSD, que decorreu nas instalações do Madeira Tecnopolo, no Funchal, com cerca de 1.200 participantes, segundo a organização.

PUBLICIDADE

publicidade

“Todos sabemos que este Governo da maioria absoluta do Partido Socialista caiu. Caiu de podre, porque eles não sabem governar este país e não tem competência para governar”, declarou.

O líder social-democrata madeirense apelou à mobilização dos militantes para as eleições antecipadas, indicando que na próxima semana será decidida a lista de candidatos à Assembleia da República em coligação com o CDS-PP.

PUBLICIDADE

“Vamos fazer um esforço logo a seguir aos Reis, depois da ressaca, curem esses copos, e, a partir do dia 16 [de janeiro], vamos começar em campanha para ganhar as eleições”, disse.

O círculo eleitoral da Madeira elege seis deputados à Assembleia da República, sendo que atualmente a representação regional é composta por três social-democratas e três socialistas.

“Nós temos que eleger os nossos homens e as nossas mulheres no próximo dia 10 de março, porque só eles é que têm condições objetivas, têm competência, têm força, têm a coragem para defender a Madeira em todas as circunstâncias”, afirmou Miguel Albuquerque.

O líder do PSD/Madeira criticou, por outro lado, o PS regional, considerando que “a receita socialista é sempre a mesma, é se vergar a Lisboa, estar de cócoras perante Lisboa e obedecer às direções partidárias de lá”.

“Nós não somos portugueses de segunda, nós somos portugueses de primeira e exigimos ser tratados pelo Estado português em igualdade de circunstâncias”, disse.

Para Miguel Albuquerque, a escolha nas eleições nacionais antecipadas de 10 de março é “muito clara” e consiste entre eleger os deputados do PSD ou um “conjunto de submissos”, que, disse, “em circunstância alguma defendem os interesses da nossa terra, as nossas liberdades e os nossos direitos”.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com