Conecte-se connosco

Destaque

Da Figueira da Foz para os palcos da Europa

Publicado

em

Com os primeiros passos na música de forma autodidata desde cedo, aos 13 anos de idade Ivo Xavier, que cresceu entre a cidade de Coimbra e a Figueira da Foz, integrava a sua primeira banda e começava o percurso musical. Ao Notícias de Coimbra conta que as suas primeiras atuações em palco ocorreram no Centro de Artes e Espetáculos e no Casino da Figueira da Foz. O gosto pela música surge a ouvir os baixistas de bandas como James Brown ou Red Hot Chilli Peppers.

Com uma formação de três anos no Conservatório de Música de Coimbra, a música sempre foi a sua escolha, “com a música sinto que tenho a possibilidade de partilhar algo com os outros”, refere. Gosto pela música que o levou até à Holanda em 2018 para iniciar a formação de Instrumentista de Jazz pelo Conservatório de Amesterdão, cidade onde vive desde então.

São vários os países onde Ivo Xavier já atuou, desde a República Checa, Lituânia, Turquia, Espanha, Holanda, entre outros.

Do seu percurso musical fazem parte bandas como Herbie Hancock, Wayne Shorter, Jonh Coltrane, e projetos mais recentes como Kneebody e Vulfpeck. Em 2016 gravou o seu primeiro disco como sideman, com Barry White Gone Wrong intitulado “Tornado”, com Pedro Tatanka, dos The Black Mamba, como produtor. Em 2019 gravou o primeiro álbum a solo, e integrou a música do grupo “Max Moon” com João Mortágua e Diogo Alexandre. O ano passado formou uma banda em Amesterdão “Join the squad”, com Ben Fitzpatrick no saxofone, Chaerin Im no piano e Pedro Nobre na bateria.

O seu trabalho está disponível no Itunes, Amazon, Bandcamp, Youtube, Spotify, mas Ivo Xavier considera que apesar de as plataformas digitais serem uma mais-valia num momento em que as salas de espetáculos estão encerradas, o retorno financeiro que estas plataformas permitem ainda é muito baixo, explica ao NDC.

Apesar de o Jazz ser a sua área de estudos musicais e o baixo elétrico o instrumento a que mais se dedica, toca ainda guitarra, piano, escreve letras e compõe instrumentais.

Além do seu percurso como estudante de Jazz e dos concertos onde atua, Ivo Xavier explica que também dá aulas de música e ainda trabalha no Museu do Queijo de Amesterdão, nas proximidades da célebre casa de Anne Frank. Mas com a pandemia de covid-19, à semelhança do que acontece em Portugal, também o setor da cultura se encontra praticamente encerrado. Com a formação no Conservatório suspensa devido à ausência de aulas presenciais, Ivo Xavier reside atualmente na Lituânia até ao regresso a Amesterdão previsto para setembro.

Não coloca de parte a possibilidade de voltar a viver em Coimbra, mas refere que “falta investimento em Portugal, a situação de a cultura estar a ser deixada para segundo plano não é de agora, já há muitos anos que Portugal não investe na cultura”. Esta é uma das grandes diferenças que encontra pelos países da Europa por onde trabalha, “em Amesterdão um artista registado há mais de meio ano ou um ano pode candidatar-se a um apoio que ultrapassa o salário mínimo português”, como forma de valorizar o trabalho destes profissionais e garantir o seu sustento económico num momento em que a cultura foi obrigada a fechar portas, esclarece.

Sobre a ausência de palco, Ivo Xavier, explica que é disso que tem mais saudades, e que tem por hábito organizar tournées pela Europa, incluindo por Coimbra onde vai estar presente a 4 de junho num espetáculo no Salão Brazil.

Ouça aqui a música Barry White Gone Wrong – CHILL PILL

Ouça aqui a música Max Moon – Out of Samsara

Ouça aqui a música Max Moon – Introspection feat Eduardo Cardinho

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade [video width="1280" height="1280" mp4="https://www.noticiasdecoimbra.pt/wp-content/uploads/2020/11/banner-NDC-radioboanova.mp4" loop="true" autoplay="true" preload="auto"][/video]
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com