Mundo

Covid-19: Corrida às farmácias leva a racionamento de medicação em Macau

Notícias de Coimbra com Lusa | 1 ano atrás em 29-12-2022

 Macau vai limitar a partir de hoje a compra de medicação nas farmácias do território, que enfrenta o maior surto de covid-19 desde o início da pandemia, anunciou o Instituto para a Supervisão e Administração Farmacêutica (ISAF).

PUBLICIDADE

“Existe ainda a pressão de fornecimento em relação aos medicamentos compostos para gripes e constipações, antitússicos e expetorantes, e atualmente acontece também nas regiões vizinhas a situação de fornecimento apertado dos medicamentos”, pode ler-se num comunicado divulgado hoje pelo ISAF.

Por isso, continuou o instituto, atendendo “à evolução da procura de alguns medicamentos e produtos antiepidémicos no mercado” e de forma a melhor responder às necessidades da população, o organismo estabeleceu, com efeito imediato, restrições à aquisição de medicamentos.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

É permitida, assim, “a cada compra” a aquisição de uma caixa ou frasco de analgésicos e antipiréticos, de uma caixa ou frasco de medicamentos antigripais, de uma caixa ou frasco de medicamentos para a tosse e de dez doses de testes rápidos de antigénio (RAT).

PUBLICIDADE

Macau, que à semelhança do interior da China seguia a política ‘zero covid’, apostando em testagens em massa, confinamentos de zonas de risco e quarentenas, anunciou recentemente o cancelamento da maioria das medidas de prevenção e contenção, após quase três anos das rigorosas restrições.

No fim de semana, o ISAF já tinha apontado que Macau e as regiões vizinhas enfrentavam a falta de medicamentos e de produtos antiepidémicos, alertado para as farmácias comunitárias “não elevarem os preços à toa ao aprovisionar medicamentos” e produtos antiepidémicos e sugerindo medidas de limite de compra destes bens, para responder à procura.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE