Conecte-se connosco

Mundo

Covid-19: Brasil com 2.202 mortes nas últimas 24 horas.  Já morreram 420 mil!

Publicado

em

O Brasil, o país latino-americano mais atingido pelo coronavírus, contabilizou nas últimas 24 horas mais 2.202 mortes associadas à covid-19, que excederam as 420.000 desde o início da pandemia, de acordo com dados oficiais do Governo.

Este foi o quinto dia consecutivo em que o país registou mais de 2.000 mortes diárias relacionadas com a doença. Em 14 meses de pandemia, o Brasil já acumulou 421.316 mortes relacionadas com a doença.

O Brasil registou ainda 63.430 novos casos de infeção nas últimas 24 horas e acumula um total de 15,1 milhões infetados desde o final de fevereiro de 2020, segundo o Ministério brasileiro da Saúde.

Na terça-feira, foram registadas 2.966 mortes, o número de óbitos mais elevado esta semana, que diminuiu nos três dias seguintes (2.811 na quarta-feira, 2.550 na quinta-feira e 2.165 na sexta-feira), para voltar hoje a inverter a tendência.

O Brasil é o segundo país do mundo com mais mortes por covid-19 depois dos Estados Unidos (574.518) e o terceiro com mais pessoas infetadas, atrás dos Estados Unidos (32,2 milhões) e da Índia (22 milhões), de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

As estatísticas de hoje estão, ainda assim, dentro dos intervalos verificados da última semana e um pouco distantes da média de quase 80.000 casos e 3.100 mortes por dia registada entre o final de março e o início de abril últimos.

Quase um quarto dos mortos por causas associadas à covid-19 no Brasil ocorreu no estado de São Paulo, que hoje ultrapassou a barreira das 100.000 mortes, um número superior ao de países como a Alemanha (84.648), Espanha (78.726) ou Colômbia (76.414), de acordo com dados da OMS.

O primeiro caso de coronavírus no Brasil, que foi também o primeiro na América Latina, foi registado em São Paulo em 26 de Fevereiro de 2020, e desde então foram infetadas 2.997.282 pessoas no estado, que notificou 13.100 novos casos nas últimas 24 horas.

Apesar do ligeiro abrandamento da pandemia nas últimas semanas, a rede hospitalar de São Paulo continua sob forte pressão, com 78,5% das camas de cuidados intensivos ocupadas por pacientes com covid-19, uma situação que também se verifica na maioria dos outros 26 estados brasileiros.

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, voltou hoje a atacar as restrições à mobilidade adotadas pelos governos estaduais e municipais, que acusou de destruírem empregos no país.

“Não vi nenhum governador dos 27 [estados] a falar com o povo”, disse Bolsonaro a um grupo de apoiantes reunidos no exterior da sua residência oficial em Brasília.

O Presidente também descreveu como “vergonha” a criação pelo senado brasileiro de uma comissão para investigar possíveis omissões do seu governo na gestão da pandemia.

Dois ex-ministros da Saúde que deixaram o governo por divergências com Bolsonaro sobre as estratégias a adotar no combate ao vírus, e o atual chefe da pasta, Marcelo Queiroga, já testemunharam na comissão.

O primeiro deles, Luiz Henrique Mandetta, demitido por Bolsonaro em abril de 2020 por defender o isolamento social, disse que o chefe de Estado ignorou todos os avisos sobre a gravidade da pandemia que ele lhe transmitiu durante o exercício da pasta.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.272.332 mortos no mundo, resultantes de mais de 156,7 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade [video width="1280" height="1280" mp4="https://www.noticiasdecoimbra.pt/wp-content/uploads/2020/11/banner-NDC-radioboanova.mp4" loop="true" autoplay="true" preload="auto"][/video]
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com