Coimbra

Conselho Académico quer tirar CONSEQUÊNCIAS do Condenado Simões

Notícias de Coimbra | 10 anos atrás em 20-10-2014

Depois de se conhecer a “sentença final” que condenou o Presidente da Académica a 15 meses de prisão, suspensa mediante o pagamento de 100 000 Euros  a duas instituições de solidariedade, o Conselho Académico da AAC/OAF quer tirar “consequências” da condenação de José Eduardo Simões, discutindo “eventuais implicações institucionais”  no âmbito da AAC/OAF e AAC/OAF- SDUQ derivadas do trânsito em julgado do “Acórdão reportado a processo judicial” em que foi visado José Eduardo Simões.

PUBLICIDADE

Recordamos que  Notícias de Coimbra consultou diversos juristas que entendem que José Eduardo da Cruz Simões (JES) não deve continuar na gerência da Associação Académica de Coimbra  –  Organismo Autónomo de Futebol-Sociedade Desportiva Unipessoal por Quotas, Lda e na direcção da Associação Académica de Coimbra / Organismo Autónomo de Futebol.

A eventual “incompatibilidade” para JES continuar como nº 1  é baseada na impossibilidade legal de desempenho de certas funções por quem se encontre numa situação particular enunciada pela Lei, o que se afigura ser o caso do engenheiro.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

No caso em apreço ocorre uma inabilidade específica por efeito da condenação por crime de corrupção, que acaba de transitar em julgado, onde se confirma a pena de 15 meses de prisão, suspensa, mas que obriga JES  a doar 100 ooo Euros ao Ninho dos Pequenitos e à Acreditar.

PUBLICIDADE

O juristas contactados por NDC recordam que  o Nº 2 do Art.º 16º do Decreto-Lei n.º 10/2013 de 25 de Janeiro (Regime Jurídico das Sociedades Desportivas) estabelece que “Aos gestores de sociedades desportivas aplica-se igualmente a regra de incompatibilidades estabelecidas para os demais dirigentes desportivos da lei geral e em normas especiais…”.

Ora, no que toca aos dirigentes fixa o Art.º 48º do Regime Jurídico das Federações um impedimento de elegibilidade àqueles que “…hajam sido punidos por infracções de natureza criminal, contra-ordenacional ou disciplinar em matéria de violência, dopagem, corrupção, racismo e xenofobia, até cinco anos após o cumprimento da pena…”(Decreto-Lei n.º 248-B/2008 de 31 de Dezembro), pelo que o condenado por corrupção pode ter deixar de exercer funções na Académica.

ca

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE