Conecte-se connosco

Cidade

Conimbricense Ana Alcoforado é provedora da Direção-Geral do Património

Publicado

em

As especialistas em património Isabel Melo e Ana Alcoforado foram designadas para assumir funções nas recém-criadas provedorias do Serviço Cultural e Educativo e para a Inclusão e Cidadania, da Direção-Geral do Património Cultural, revelou hoje este organismo.

As duas provedoras, técnicas superiores da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) vão desenvolver uma atividade “transversal a todos os serviços e equipamentos culturais sob tutela da DGPC, numa lógica de integração e criação de sinergias”, indica um comunicado enviado à agência Lusa.

Isabel Melo irá assumir funções na Provedoria do Serviço Cultural e Educativo e, Ana Alcoforado, na Provedoria para a Inclusão e Cidadania, e “competir-lhes-á promover a disseminação de boas práticas e de projetos de cariz educativo e social, bem como propor a adoção de medidas que contribuam para a melhoria do funcionamento dos museus, monumentos e palácios” da tutela da DGPC.

A missão das provedoras inclui ainda o contacto com os públicos, designadamente a receção e análise de sugestões e de reclamações.

Isabel Melo, especialista em arte mobiliária, iniciou funções no Palácio Nacional de Queluz em 1986. Fez parte do antigo Instituto Português de Museus (IPM) e, em 1997, transitou para o antigo Instituto Português do Património Arquitetónico (IPPAR). Foi diretora do Panteão Nacional entre 2007 e 2021.

Ana Alcoforado, licenciada em História pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, ingressou em 1988 no Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, tendo posteriormente assumido a sua direção, entre 2008 e 2021.

Sobre a Provedoria do Serviço Cultural e Educativo, a DGPC refere que os Serviços Culturais e Educativos existentes em cada um dos equipamentos da sua tutela “desenvolvem as suas atividades de modo a incentivar a articulação entre a educação e a cultura”.

“Contudo, a cooperação entre os diversos serviços torna-se cada vez mais premente e necessária, uma vez que permite otimizar recursos e reforçar o impacto junto dos públicos. Neste sentido atuará a Provedoria do Serviço Cultural e Educativo, promovendo uma programação diversificada, mas simultaneamente integrada”, precisa este organismo do Ministério da Cultura.

Quanto à Provedoria para a Inclusão e Cidadania, a DGPC espera que venha a “contribuir para alcançar objetivos estratégicos neste domínio, e que passam por erradicar as desigualdades no acesso e na fruição dos museus, monumentos e palácios, mediante práticas de inclusão social, proteção de minorias e equidade”.

“Serão fomentadas atividades que promovam uma cidadania esclarecida e responsável, assente na coesão social e nos direitos humanos, defendendo princípios civilizacionais e éticos que contribuam para a formação integral de todos os cidadãos”, acrescenta.

As componentes de cidadania e inclusão “são disciplinas transversais ao exercício de uma cidadania ativa, responsável e esclarecida, preservando valores fundamentais como a igualdade e o direito à diferença”, refere ainda, no comunicado, sublinhando que a missão da DGPC “alicerça-se nestes pressupostos, que norteiam a ação de todos os equipamentos culturais tutelados, independentemente das suas características específicas”.

A criação das provedorias foi anunciada em março pelo diretor-geral do Património Cultural, Bernardo Alabaça, durante uma conferência internacional ‘online’ sobre museus e responsabilidade social, que decorreu durante dois dias, organizada pela DGPC no âmbito da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade [video width="1280" height="1280" mp4="https://www.noticiasdecoimbra.pt/wp-content/uploads/2020/11/banner-NDC-radioboanova.mp4" loop="true" autoplay="true" preload="auto"][/video]
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com