Crimes

Condenados por sequestro e assalto dizem que entraram em ourivesaria “para ver um relógio”

Notícias de Coimbra | 1 ano atrás em 22-02-2023

O Tribunal de Aveiro condenou hoje a quatro anos de prisão efetiva dois cidadãos estrangeiros por tentativa de assalto, há cerca de um ano, a uma ourivesaria em Aveiro, sequestrando a funcionária.

PUBLICIDADE

Durante a leitura do acórdão, o juiz presidente referiu que o Tribunal considerou provado “na generalidade” todo o teor da acusação formulada contra os arguidos.

Os dois arguidos de nacionalidade ucraniana, de 42 e 50 anos, foram condenados na pena de quatro anos de prisão efetiva, cada um, por um crime de roubo agravado na forma tentada.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

“O crime foi severo, foi grave, e por via disso a pena aplicada aos arguidos”, disse o juiz, após a leitura do acórdão.

PUBLICIDADE

O juiz explicou ainda que o tribunal decidiu não suspender a execução desta pena porque, pese embora os arguidos não tenham antecedentes criminais em Portugal, à data dos factos, não tinham emprego, nem residência física. “Assim, não é possível fazer juízo de prognose favorável”, justificou o magistrado.

Além da pena de prisão, os arguidos foram ainda condenados a pagar solidariamente cinco mil euros à funcionária da ourivesaria.

Os arguidos vão manter-se em prisão preventiva até esgotar os prazos de recurso.

Durante o julgamento, os arguidos disseram que estavam embriagados e entraram no estabelecimento apenas para ver um relógio, negando ter sequestrado a funcionária.

Um dos arguidos admitiu que a funcionária teria ficado “stressada”, quando os viu naquele estado, e tocou no botão [de alarme], o que fez com as portas da ourivesaria tivessem fechado e a policia tenha sido chamada ao local.

Afirmou ainda que não entraram na loja com intenção de a assaltar, mas depois, quando estavam a ajudar a funcionária que tinha desmaiado, viram uma mala cheia de ouro aberta e “veio essa ideia à cabeça”.

O cúmplice esclareceu que a funcionária estava a mostrar um relógio e começou a desfalecer e ele agarrou-a para ela não cair. Negou ainda que lhe tenham colocado fita adesiva na boca, ou amarrado as mãos e os pés, como refere a acusação do Ministério Público (MP).

Esta tese foi contrariada pela funcionária da ourivesaria, que disse ter sido abordada “de uma forma violenta” pelos arguidos.

A testemunha, que foi ouvida por videoconferência, explicou que perdeu os sentidos “por segundos”, tendo-se apercebido apenas que os arguidos lhe taparam a boca e agarraram nos braços. “Quando voltei a mim estava na sala atrás, sentada e a ser amarrada”, afirmou.

A funcionária disse também não se ter apercebido que os arguidos estivessem alcoolizados e referiu ter visto um deles, uns dias antes do assalto, a “sondar” a loja.

O assalto à ourivesaria Crisálida, situada na Avenida Lourenço Peixinho, ocorreu na tarde de 16 de abril de 2022, quando se encontrava no interior do estabelecimento apenas uma funcionária.

Segundo a acusação do MP, consultada pela Lusa, os arguidos entraram na loja e começaram a experimentar relógios. Entretanto, um deles terá agarrado a funcionária pelas costas e colocado um braço à volta do seu pescoço, imobilizando-a, tendo depois os arguidos arrastado a mesma para a parte mais reservada da loja, onde lhe amarraram os pés e as mãos e selaram a boca com uma fita adesiva.

Após terem imobilizado e silenciado a ofendida, os arguidos calçaram luvas, fecharam a porta de entrada do estabelecimento e esvaziaram o conteúdo de seis malas que continham diversas peças em prata de lei, com um valor superior a 20 mil euros, para o interior de um saco e das mochilas que traziam.

O MP refere ainda que os arguidos tentaram abrir, sem sucesso, o cofre do estabelecimento, onde se encontravam outros bens de maior valor.

O alarme foi dado pelo gerente, que chegou ao estabelecimento cerca das 15:40 e, estranhando o facto de a porta ainda estar fechada e ter visto um relógio pousado em cima do balcão, acedeu remotamente às imagens do circuito de videovigilância do estabelecimento, tomando assim conhecimento do assalto e chamado a PSP, que compareceu no local poucos minutos depois.​​​​​​

Ainda de acordo com a investigação, um dos arguidos efetuou três chamadas telefónicas, apelidando o interlocutor de “chefe”. Após o último desses telefonemas, os assaltantes libertaram a funcionária e, poucos minutos depois, saíram do estabelecimento, tendo sido de imediato detidos pelos agentes da PSP que tinham montado um perímetro de segurança.

O MP extraiu uma certidão para permitir que a investigação continue a decorrer para apurar o envolvimento de outros suspeitos na prática dos factos.

 

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE