Conecte-se connosco

Coimbra

Coimbra vai ter passeios de barca serrana e houseboat no Mondego

Publicado

em

O executivo da Câmara Municipal de Coimbra aprovou, na sua reunião de hoje, a emissão de autorizações de licenciamento para utilização do plano de água da albufeira do açude de Coimbra a dois operadores de transporte turístico de passageiros, Pedro Figueiredo e Quadrante Alternativo, Lda. Os operadores vão realizar a exploração de passeios no rio Mondego, o primeiro com oferta de alojamento a bordo (houseboat) e o segundo de barca serrana. A tomada e largada de passageiros vai realizar-se no atracadouro secundário, localizado no Parque do Choupalinho, até que estejam terminadas as diversas obras de requalificação da margem direita do Mondego e possam passar a fazê-lo no atracadouro principal, no Parque Manuel Braga.2

O rio Mondego vai passar a ter mais dois operadores de passeios turísticos, além do já conhecido “Basófias”. O operador Pedro Figueiredo traz a Coimbra, pela primeira vez, uma oferta turística com passeios temáticos em barco-casa e com oferta do serviço de alojamento a bordo (houseboat). Uma oferta que permite aos viajantes contemplarem o património cultural da cidade, bem como a paisagem natural do rio Mondego e optarem por diversas propostas de passeios, nomeadamente de carater empresarial, desportivo, romântico, de degustação, contemplativo do pôr-do-sol, entre outros.

Já o operador Quadrante Alternativo, Lda. também traz uma proposta inovadora, de passeios turísticos num barco típico, a barca serrana, que igualmente possibilitam aos viajantes apreciarem o património cultural da cidade e o património natural do rio Mondego.

A Agência Portuguesa do Ambiente já se pronunciou favoravelmente sobre as propostas de acessibilidades, localização de espaços destinados à tomada e largada de passageiros, atracadouros e efeitos da atividade de transporte turístico de passageiros na via navegável.

A tomada e largada de passageiros para estes novos serviços turísticos vai realizar-se no atracadouro secundário, localizado no Parque do Choupalinho, a montante da ponte pedonal Pedro e Inês e imediatamente a montante da doca e atracadouros desportivos, até que estejam terminadas as diversas obras de requalificação da margem direita do Mondego e possam passar a fazê-lo no atracadouro principal, na margem direita do Mondego, no parque Manuel Braga.

Estas medidas foram hoje debatidas em sessão de Câmara. Quer a proposta de serviço de transporte público de passageiros numa exploração de passeio marítimo-turístico de “barca serrana”, quer a proposta de via navegável interior com oferta de alojamento a bordo (houseboats) foram aprovadas por unanimidade pelos vereadores.

Manuel Machado, presidente da Câmara Municipal de Coimbra, adianta que estes projetos avançam quando estiver concluída a operação de desassoreamento do Mondego.

Na sua intervenção, a vereadora Ana Bastos afirmou ser necessário um regulamento e a avaliação de taxas para estes projetos de turismo no Mondego. Manuel Machado por outro lado entende que “o importante é pôr a funcionar a barca serrana. O valor de taxas não é relevante, o importante é que os operadores venham”.

A Câmara Municipal de Coimbra tem em curso uma ampla operação de requalificação da zona ribeirinha para virar a “cidade para o Mondego”, tem defendido o presidente Manuel Machado, num investimento que já é previsivelmente superior a 30 milhões de euros. Os investimentos mais significativos estão já em curso, designadamente a requalificação do Parque Manuel Braga e respetivos muros (4,8 milhões de euros) e a requalificação da margem direita do rio, entre a Ponte de Santa Clara e o Açude-Ponte (10 milhões de euros). Em fase avançada dos procedimentos estão também a estabilização da margem esquerda do rio Mondego, entre a Ponte de Santa Clara e o Açude-Ponte e a requalificação de ambas as margens na zona do Parque Verde (4,6 milhões de euros); assim como a execução deste novo Parque Municipal de Skate.
 
Às anteriormente mencionadas, acrescentam-se os já concluídos desassoreamento do leito do rio (4 milhões de euros); a construção da nova ponte na Praia Fluvial de Palheiros e Zorro (580.000 euros); a nova ponte pedonal e ciclável sobre o Mondego, junto ao Açude-Ponte (647.000 euros); a requalificação da Praça das Cortes (421.000 euros); a intervenção na Av. João das Regras (361.000 euros); a conclusão do parque de estacionamento do Convento São Francisco (1,5 milhões de euros); a nova via de ligação da Fernão de Magalhães à Padre Estevão Cabral (517.000 euros); a ampliação das “docas” (1 milhão de euros); e a ciclovia de Coimbra, que liga Coimbra B ao Vale das Flores e à Portela, num percurso de quase 20km (2,2 milhões de euros). Na nova Praia Fluvial do Rebolim, que recebem em 2021 pela primeira vez o galardão da Bandeira Azul, foi realizada a limpeza de vegetação, de lixeiras e de outros detritos sobrantes da antiga extração de areias, melhorados profundamente os acessos, criada uma área de estacionamento, instaladas infraestruturas elétricas, telecomunicações e rede de abastecimento de água, limpo o amplo areal e colocados sanitários, sendo este um trabalho contínuo que se vai retomar brevemente para continuar a garantir todas as condições desta zona durante a época balnear.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link