Conecte-se connosco

Universidade

Coimbra: Doutorandos pedem oportunidades de emprego e preocupam-se com novas formas de trabalho

Publicado

em

O equilíbrio entre empregos sustentáveis e a automatização, e a falta de oportunidades para doutorados na academia e no setor privado são preocupações hoje apresentadas pelos estudantes da Universidade de Coimbra perante responsáveis europeus e nacionais.

“Há 15, 20 anos, quase todos os doutorados eram professores ou estavam na academia, já com contratos. Hoje, temos 2.000 novos doutorados todos os anos, mas onde estão os novos empregos? Não há espaço para todos na academia”, argumentou Luís Coimbra, representante dos alunos de doutoramento da Universidade de Coimbra.

Num evento sobre o futuro do emprego e a sua relação com a transição ecológica na União Europeia (UE) que decorreu na UC, no âmbito da Conferência sobre o Futuro da Europa, Luis Coimbra adiantou ainda que, entre os doutorados atuais, apenas 6% trabalha no setor privado.

Nesse sentido, apelou aos responsáveis políticos presentes – o vice-presidente da Comissão Europeia Maros Šefčovič e a secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias – para que sejam postas em prática “medidas para incentivar as empresas a falarem com os doutorados e estudantes”.

Matias Correia, também aluno de doutoramento na UC, questionou como a UE irá lidar “com a automatização em excesso” ao mesmo tempo que mantém o “equilíbrio entre emprego verde, sustentável”.

A doutoranda Sara Diana, por seu lado, levantou questões sobre as despesas dos teletrabalhadores e a necessidade de tornar o direito a desligar “a nova realidade”, visto que a “cultura de não haver horas” no teletrabalho leva a “riscos acrescidos de ‘burnout’ e depressão”.

Em resposta, o vice-presidente da Comissão Europeia, Maros Šefčovič, responsável pela pasta das Relações Institucionais e Prospetiva, defendeu a necessidade de harmonizar os doutoramentos com “a pesquisa prática ao nível das empresas”, referindo, a título de exemplo, a Alemanha, onde “as empresas patrocinam os doutoramentos” dos seus trabalhadores.

Esta é uma prática que “deve ser generalizada” na UE, argumentou o responsável, apontando também para a necessidade de adotar uma cultura de “coaching” [instrução] nas empresas europeias.

Šefčovič sublinhou ainda a necessidade de “garantir que todas as empresas e atividades sejam devidamente taxadas”, recusando aceitar a ideia de que “grandes empresas paguem zero impostos” enquanto “lucram” com o trabalho de pessoas qualificadas.

Sobre o direito a desligar – uma lei que deverá estabelecer uma separação clara entre a vida pessoal e profissional dos trabalhadores -, o comissário europeu assinalou que, “de uma forma ou de outra, o escritório de casa fará parte da rotina de trabalho” de cada um e, nesse sentido, frisou a necessidade de “ter o equipamento adequado” em situação de teletrabalho.

A secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Ana Paula Zacarias, destacou na sua intervenção uma questão distinta, a necessidade de trabalhar as “soft skills”, apontando como exemplo o anúncio de uma vaga de emprego para uma plataforma ‘online’ que “pedia um engenheiro com mestrado em gestão e doutoramento em filosofia”.,

As ciências sociais e as ciências exatas não podem ser vistas separadamente, sublinhou a governante, instando a UE e o Governo a “investirem” nas qualificações.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade [video width="1280" height="1280" mp4="https://www.noticiasdecoimbra.pt/wp-content/uploads/2020/11/banner-NDC-radioboanova.mp4" loop="true" autoplay="true" preload="auto"][/video]
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com