Conecte-se connosco

Autárquicas

Cidadãos por Coimbra querem ‘task force’ para resolver problemas de espaços públicos

Publicado

em

O movimento Cidadãos por Coimbra (CpC) concentrou-se hoje junto à urbanização do Loreto em Coimbra para alertar para a necessidade de ser criada uma ‘task force’ para resolver problemas de alguns espaços públicos da cidade.

“A Câmara tem de ter uma ‘taske force’, uma equipa de missão, uma força de tarefa, para tratar situações destas, que são pedaços da cidade em risco grave de doença. É preciso boas equipas, com sociólogos, urbanistas, desenhadores e paisagistas, que tratem estes pedaços da cidade de maneira que eles não gangrenem”, alertou hoje Gouveia Monteiro, cabeça de lista do CpC à Câmara de Coimbra.

Numa ação de campanha junto à urbanização do Loreto, o candidato advertiu para vários problemas naquela urbanização, bem como em diversas outras áreas da cidade de Coimbra.

“Não há onde as pessoas se encontrarem verdadeiramente. Com uma densidade desta natureza, com os carros a ocupar quase a totalidade do espaço público, as pessoas fogem daqui”, apontou o candidato.

Para Gouveia Monteiro, que falava à agência Lusa, é necessário “criar condições” e tornar “estas zonas humanizadas”.

O candidato referiu que casos como o da urbanização do Loreto são “bairros de rotação curta”, pois as pessoas “arrendam aqui uma casa porque é relativamente mais barata, menos pretendida e depois, passado algum tempo, um ano, dois anos, abalam para outras zonas, porque naturalmente vão para zonas onde se sentem melhor”.

“É preciso uma população mais informada e mais exigente, que não se repitam situações destas, porque se as pessoas forem mais exigentes não comprarão casas que lhes sejam propostas nestas condições, mas agora é também preciso cerzir”, sublinhou.

O cabeça de lista do CpC à Câmara de Coimbra disse que há condições e existem “terrenos municipais, portanto, é possível juntar os moradores e discutir planos com eles”.

Caso seja eleito, o candidato pretende fazer um “projeto de reumanização”.

“Pegar nos urbanistas e nos arquitetos da câmara, ver quais são os terrenos que ainda estão disponíveis para criar equipamentos, onde as pessoas se possam encontrar, fazer os planos, discuti-los com os moradores, tratá-los como sujeitos do seu destino e não apenas como clientes”, de “quatro em quatro anos”, concluiu.

Além de Gouveia Monteiro, nas eleições de domingo concorrem à Câmara de Coimbra o atual presidente Manuel Machado (PS), José Manuel Silva (coligação Juntos por Coimbra PSD/CDS-PP/Nós, Cidadãos!/PPM/Volt/RIR/Aliança), Francisco Queirós (CDU), Filipe Reis (PAN), Tiago Meireles Ribeiro (Iniciativa Liberal), Miguel Ângelo Marques (Chega) e Inês Tafula (Coligação Coimbra é Capital – PDR/MPT).

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade