Política

Christine Ourmières-Widener ouvida hoje na comissão de inquérito da TAP

Notícias de Coimbra com Lusa | 1 ano atrás em 04-04-2023

A ainda presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener, vai ser hoje ouvida na comissão de inquérito, após ter contestado a exoneração anunciada pelo Governo, na sequência da indemnização à ex-administradora Alexandra Reis.

PUBLICIDADE

A gestora é a terceira personalidade, de uma lista de cerca de 60, a ser ouvida pela comissão parlamentar de inquérito à tutela política da gestão da TAP, constituída por iniciativa do Bloco de Esquerda.

A ainda presidente executiva da TAP contestou o despedimento e acusou o Governo de ter tido “pressa política” para a demitir, segundo a contestação da defesa, citada pela TVI/CNN.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

Na semana passada, foram ouvidos os responsáveis da Inspeção-Geral de Finanças (IGF), que afirmaram que a presidente executiva e o presidente do Conselho de Administração, Manuel Beja, têm responsabilidade no caso da indemnização a Alexandra Reis por terem assinado o único documento oficial.

PUBLICIDADE

Foi também já ouvido o administrador financeiro da companhia aérea, Gonçalo Pires, que assegurou não ter tido qualquer envolvimento no processo da indemnização, apesar de tutelar as contas da empresa.

Na mesma audição, a deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua revelou que o antigo gestor Max Urbahn, administrador executivo entre 2016 e 2017, quando a TAP era privada, recebeu 1,35 milhões de euros num acordo de pré-reforma.

O Governo anunciou, em 06 de março, que a IGF tinha concluído que o acordo celebrado para a saída antecipada de Alexandra Reis da TAP era nulo e que ia pedir a restituição dos valores.

Os ministros das Finanças e das Infraestruturas anunciaram também a exoneração com justa causa da presidente executiva da TAP, Christine Ourmières-Widener, e do presidente do Conselho de Administração, Manuel Beja.

A verificação pela IGF da legalidade da indemnização paga a Alexandra Reis foi determinada em 27 de dezembro do ano passado pelo ministro das Finanças, Fernando Medina, e pelo então ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos.

Em dezembro, Alexandra Reis tomou posse como secretária de Estado do Tesouro, tendo então estalado a polémica sobre a indemnização que recebeu quando saiu da companhia aérea detida pelo Estado, levando a uma remodelação no Governo, incluindo a saída de Pedro Nuno Santos, que foi substituído por João Galamba.

Entre a saída da TAP e a ida para o Governo, Alexandra Reis foi ainda presidente da NAV Portugal – Navegação Aérea.

Numa declaração escrita enviada à Lusa, em dezembro, Alexandra Reis disse que o acordo de cessação de funções “como administradora das empresas do universo TAP” e a revogação do seu “contrato de trabalho com a TAP S.A., ambas solicitadas pela TAP, bem como a sua comunicação pública, foi acordado entre as equipas jurídicas de ambas as partes, mandatadas para garantirem a adoção das melhores práticas e o estrito cumprimento de todos os preceitos legais”.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE