Conecte-se connosco

Saúde

Centro de testes na Praça da República detetou 722 casos positivos

Publicado

em

O centro de testagem à Covid-19, instalado na Praça da República, em Coimbra, abriu há dois meses (16 de dezembro). Resultado de uma parceria entre a Universidade de Coimbra (UC) e a autarquia, já realizou 7600 testes, a maioria a estudantes, tendo identificado 722 resultados positivos.O centro de testagem gratuito mantém-se em funcionamento e assim será “enquanto as normas da Direção-Geral da Saúde para o controlo da pandemia o justificarem”, garantiu a UC ao NDC. O posto funciona em horário noturno e a testagem é garantida pelos meios técnicos e humanos do Laboratórios de Análises Clínicas da Universidade. A Câmara Municipal disponibiliza administrativos e apoio logístico. 

A tenda instalada em plena Praça da República de forma a facilitar a testagem da comunidade estudantil, abriu portas a 16 de dezembro do ano passado. Até agora realizou 7600 testes, tendo detetado 722 casos positivos, confirmou ao NDC a UC. A média é superior a 120 testes por dia, sendo que o centro só funciona entre as 18:00 e as 23:00.

Questionada pelo NDC, a Universidade assegura que “os recursos humanos permanecem os que estavam inicialmente, contando com colaboradores do Laboratório de Análises Clínicas da UC e da Câmara Municipal de Coimbra”, explicando que “ajustes pontuais no número de colaboradores são realizados diariamente, de acordo com a afluência prevista”.

O centro de testagem foi inaugurado com a presença de José Manuel Silva, presidente da Câmara Municipal de Coimbra, que na altura sublinhou “o momento em que duas instituições de Coimbra se juntam para responder às necessidades da cidade, mostrando como as sinergias podem, de facto, acrescentar valor a Coimbra”. Já o reitor, Amílcar Falcão, também presente, destacou que “a iniciativa alargou a área de ação do Laboratório de Análises Clínicas da UC, que tem estado permanentemente ao serviço da sociedade – e em colaboração com as mais diversas instituições –, ao longo destes já quase dois anos de pandemia”.

 

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link