Conecte-se connosco

Política

CDS confirma hoje Nuno Melo como líder e elege órgãos nacionais

Publicado

em

O 29.º Congresso do CDS-PP termina hoje com a eleição dos novos órgãos nacionais e a confirmação de Nuno Melo como líder, depois de a sua moção de estratégia global ter sido a vencedora.

A moção “Tempo de Construir” foi a mais votada, com 73% dos votos, entre as quatro que estavam a votação, que começou na noite de sábado e terminou na madrugada de hoje.

As moções de estratégia global visam fixar a orientação geral do partido no próximo mandato.

A lista de Nuno Melo foi a única apresentada à Comissão Política Nacional e o candidato será confirmado pelos congressistas como o novo presidente do CDS-PP.

A eleição dos órgãos nacionais – Comissão Política Nacional, Conselho Nacional, Mesa do Congresso, Conselho Nacional de Jurisdição e Conselho Nacional de Fiscalização – decorre entre as 09:00 e as 12:00 e está previsto que os resultados sejam proclamados pelas 12:30.

Depois da tomada de posse dos novos dirigentes, o congresso encerra com o primeiro discurso de Nuno Melo como presidente do CDS-PP.

Os antigos líderes Manuel Monteiro, Paulo Portas e Assunção Cristas já anunciaram publicamente o seu apoio a Nuno Melo.

Manuel Monteiro discursou perante o congresso no sábado durante cerca de meia hora, naquele que foi o seu regresso às reuniões magnas depois de 20 anos afastado.

Paulo Portas deverá chegar ao Pavilhão Multiusos de Guimarães pelas 10:00 e vai votar nas listas para os órgãos nacionais, sendo acompanhado por Nuno Melo.

No primeiro dia do 29.º Congresso nacional, os delegados ouviram o líder cessante, que se despediu emocionado e deixou alguns recados aos seus críticos.

Depois, foram apresentadas e debatidas as 10 moções de estratégia global, o que dominou o primeiro dia de trabalhos.

As intervenções dos delegados terminaram às 02:00 e a votação encerrou trinta minutos depois.

Vão marcar presença na sessão de encerramento, a ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, e dirigentes do PS, PSD, Chega, Iniciativa Liberal e Livre.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link