Conecte-se connosco

Mundo

Catástrofes em cadeia devido ao aquecimento global são “perigosamente subexploradas”

Publicado

em

A eventualidade de catástrofes em cadeia devido ao aquecimento global do planeta é “perigosamente subexplorada” pela comunidade internacional, alertam cientistas num estudo publicado hoje, apelando ao mundo para considerar o pior, para melhor se preparar.

Num artigo publicado na revista científica PNAS (Proceedings of the National Academy of Sciences, publicação oficial da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos), os investigadores dizem que foi feito muito pouco trabalho sobre os mecanismos que poderiam conduzir a riscos “catastróficos” e “irreversíveis” para a humanidade: por exemplo, se os aumentos de temperatura forem piores do que o esperado ou se eles desencadearem sucessões de eventos ainda não previstos.

“Sabemos o mínimo sobre os cenários que mais importam”, escreve Luke Kemp do Centro para o Estudo do Risco Existencial, em Cambridge, Reino Unido.

À medida que aumenta a investigação sobre pontos de rutura no clima da Terra – como o derretimento irreversível das calotas polares ou a perda da floresta tropical amazónica – aumenta também a necessidade de fatores de alto risco na modelação climática, diz Johan Rockström, diretor do Instituto Potsdam de Pesquisas sobre o Impacto Climático (Alemanha) e um dos autores do estudo.

“As vias de desastre não se limitam aos impactos diretos das altas temperaturas, tais como eventos meteorológicos extremos. Os efeitos colaterais, tais como crises financeiras, conflitos e novas epidemias podem desencadear mais calamidades, e dificultar a recuperação de potenciais catástrofes, tais como a guerra nuclear”, acrescenta Luke Kemp.

Em resposta, a equipa propõe uma agenda de investigação para ajudar os governos a combater os “quatro cavaleiros” do “apocalipse climático”: fome e subnutrição, eventos climáticos extremos, conflitos, e doenças transmitidas por vetores.

Os autores salientam que os sucessivos relatórios científicos dos peritos climáticos da ONU (IPCC) concentraram-se principalmente nos efeitos projetados de um aquecimento global de 1,5-2°C (graus celsius).

Mas as atuais ações governamentais estão em vez disso a colocar a Terra numa trajetória de aquecimento de 2,7°C até ao final do século, muito longe dos 1,5°C visados pelo acordo de Paris de 2015.

Os investigadores calcularam que as zonas de calor extremo – com uma temperatura média anual superior a 29°C – poderiam afetar dois mil milhões de pessoas até 2070.

Estas temperaturas representam um grande risco de falhas no setor agrícola devido a secas como a que afeta atualmente a Europa Ocidental e a ondas de calor como a que atingiu a cultura do trigo indiano em março e abril.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com