Mundo

Buscas sem sinais de barco em perigo no Mediterrâneo com 500 migrantes

Notícias de Coimbra com Lusa | 12 meses atrás em 26-05-2023

A Organização não governamental (ONG) italiana Emergency disse hoje, dia 26 de maio, que o seu navio de resgate no Mar Mediterrâneo ​​​​​​​não encontrou vestígios de um barco em perigo que transportava 500 migrantes, incluindo um recém-nascido.

PUBLICIDADE

 O navio “Life Support não encontrou vestígios de naufrágio e as 500 pessoas não desembarcaram na Itália”, disse a organização não-governamental Emergency em comunicado. “É difícil acreditar que nenhuma autoridade costeira saiba onde estão essas 500 pessoas”, acrescenta.

 A emergência levantou a possibilidade de que os migrantes tenham sido levados de volta para a Líbia, o ponto de partida para muitos dos barcos dos contrabandistas que transportam pessoas para a costa da Itália.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

Segundo a organização, as autoridades líbias negam que os migrantes tenham voltado ao país, onde muitos passam meses em condições desumanas em campos de detenção, enfrentando casos de espancamentos ou violações, até que eles ou as suas famílias nos seus países de origem possam pagar aos contrabandistas a viagem marítima em direção à Itália.

PUBLICIDADE

 Na terça-feira, outra ONG, a Alarm Phone, que recebe ligações de barcos de migrantes em perigo, disse que um barco com 500 migrantes precisava de ajuda.

 A Emergency disse que o Life Support navegou 32 horas para chegar à área onde se acredita que estava o navio em perigo e conduziu buscas na quinta-feira​​​​​​,​ durante 24 horas, em águas internacionais que fazem parte da área de busca e resgate de Malta.

Mas o grupo disse na noite de quinta-feira que a degradação do estado do tempo estava a forçar o fim das buscas.

 Acredita-se que a bordo do barco estejam 45 mulheres, algumas delas grávidas, e 56 crianças, incluindo um bebé aparentemente nascido durante a viagem.

 A guarda costeira líbia não respondeu imediatamente a um pedido da Associated Press para comentar a hipótese da Emergency de que os migrantes terem sido levados de volta à Líbia.

 Na quinta-feira, a guarda costeira italiana disse que uma das suas embarcações, em duas operações separadas, resgatou quase 1.100 migrantes de dois barcos de pesca em perigo na sua área de busca.

 A guarda costeira italiana negou qualquer papel envolvendo um terceiro barco em dificuldades, com 27 migrantes a bordo, e afirmou que navios mercantes estavam a prestar assistência ao mesmo.

“Embora inicialmente contactados pelo centro de resgate italiano, eles [os navios de carga] receberam instruções diretamente das autoridades líbias, como parte de um evento ocorrido dentro da sua área de responsabilidade”, declarou.

 Os líbios “assumiram legitimamente a coordenação” do resgate, disse a guarda costeira italiana em comunicado na quinta-feira, negando qualquer expulsão de migrantes para a Líbia.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE