Política

Bloco de Esquerda acusa União Europeia e Governo de cinismo sobre conflito em Gaza e pede “sobressalto cívico” 

Notícias de Coimbra com Lusa | 4 semanas atrás em 27-05-2024

A cabeça de lista do BE às eleições europeias acusou hoje a União Europeia e o Governo de cinismo na postura que assumem quanto ao conflito israelo-palestiniano e o líder parlamentar bloquista pediu à Europa um “sobressalto cívico”.

PUBLICIDADE

No primeiro jantar-comício do BE na campanha oficial para as eleições europeias de 09 de junho, na Escola Secundária da Portela, freguesia de Moscavide, concelho de Loures, em Lisboa, Catarina Martins lembrou que o Tribunal Penal Internacional (TPI) já exigiu que Israel se retirasse de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, local onde um ataque israelita atingiu recentemente um campo de deslocados.

Catarina Martins reconheceu que o alto representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, Joseph Borrell, vem dizendo que Israel não pode insultar este tribunal internacional, mas lamentou que este seja “uma voz isolada” na União Europeia.

PUBLICIDADE

“A maior parte dos discursos têm sido os discursos do cinismo. Paulo Rangel, ministro dos negócios estrangeiros português, decidiu dizer que nenhum Governo fez tanto para reconhecer o Estado da Palestina. Esqueceu-se de um pormenor: reconhecer o Estado da Palestina. Isto é o cinismo e é contra o cinismo que nos levantamos”, disse.

Na ótica da bloquista candidata a um lugar no Parlamento Europeu, é também cinismo a União Europeia “manter um acordo de associação com Israel quando comete crimes de guerra e está a fazer um genocídio em Gaza”.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

“Contra o cinismo nos levantamos, sanções contra Israel já. Cessar-fogo imediato, Palestina livre”, clamou, num dos momentos mais aplaudidos do seu discurso.

Antes, perante uma plateia que incluía a coordenadora do BE, Mariana Mortágua, o líder parlamentar do BE, Fabian Figueiredo, defendeu que a União Europeia precisa de um “sobressalto cívico, de uma primavera de paz e de liberdade”.

O deputado considerou que muitos dos principais rostos da política da União, como Ursula von der Leyen, “dão mau nome à Europa” e “são o rosto de uma política moralmente falida”.

Fabian Figueiredo alertou que “está um genocídio em curso” em Rafah e acusou o Governo português de “saber ao detalhe o que se passa e colaborar”.

“Votar no BE é votar pela Palestina. É votar por uma Europa da paz, da justiça, dos direitos sociais. A Europa do socialismo em democracia”, afirmou.

Related Images:

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE