Conecte-se connosco

Coimbra

Bispo de Coimbra exorta à adoção do exemplo cuidador de Maria perante os mais frágeis

Publicado

em

O bispo de Coimbra, Virgílio Antunes, defendeu hoje, em Fátima, que a humanidade deve adotar o exemplo cuidador e o “coração de mãe” da Virgem Maria perante os problemas dos mais pobres e dos mais frágeis.

Na homilia da missa da peregrinação de 13 de junho ao Santuário de Fátima, que assinala a segunda aparição da Virgem aos videntes Jacinta, Francisco e Lúcia, Virgílio Antunes afirmou que “o Coração Imaculado de Maria (…) é profundamente inspirador para a humanidade (…), frequentemente desorientada e perdida nas suas escolhas, nos caminhos de confronto bélico que põe irmãos contra irmãos, nos atentados à vida própria ou alheia, nas múltiplas injustiças perpetradas contra todos os mais frágeis”.

“Uma humanidade com coração de mãe não pode permitir que haja alguém que chegue ao desespero diante das dificuldades, das doenças, da pobreza ou da solidão. Cria as condições institucionais, pessoais e comunitárias, económicas e estruturais para que a ninguém falte o necessário para continuar a viver com sentido até ao fim dos seus dias”, disse o também vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP).

Segundo o prelado, “uma sociedade que desiste de alguém ou que deixa de estar ao lado dos que estão à beira do desespero, é uma sociedade falida” e “uma humanidade com coração de mãe trabalha incansavelmente em favor da justiça, junta os irmãos para que dialoguem, se respeitem e encontrem na sua condição de família os caminhos para a paz”.

“O baixar dos braços por parte de pessoas, instituições, nações, organizações mundiais, nunca corresponde ao sentido materno do amor, que vai até ao fim. Uma humanidade com coração de mãe está especialmente atenta aos mais débeis e mais expostos a toda a espécie de explorações: as crianças, as mulheres, os doentes, os idosos”, enfatizou.

Perante alguns milhares de peregrinos, que assistiram à missa celebrada no altar do recinto, Virgílio Antunes considerou que, “quando o Papa Francisco (…) ofereceu a Exortação Apostólica ‘A Alegria do Evangelho’ estava a propor uma Igreja com coração, uma Igreja Mãe, uma Igreja inspirada na presença da Virgem Santa Maria que, com o seu coração imaculado, vai à procura dos seus filhos”.

“Tem esta Igreja, porventura, como o Papa também nos disse, de mudar os seus esquemas e planos inadequados, tem de abrir as suas portas a todos indiscriminadamente, tem de anunciar a Palavra do Evangelho sem complexos nem medos, tem de estar ao lado de todos e cada um dos que sofrem, estão na pobreza, são tristes e infelizes”, acrescentou.

Na noite de domingo, Virgílio Antunes, que antes da ordenação episcopal foi reitor do Santuário de Fátima, na homilia da Vigília da Peregrinação Internacional Aniversária, sublinhou o papel daquele lugar, onde “chegam todas as alegrias do mundo, em atos de gratidão da multidão dos peregrinos, mas chegam também todos os dramas e sofrimentos do mundo, em atos de súplica dolorosamente sentida”.

“Desde aquele já distante ano de 1917 que Fátima tem a vocação e a graça de ser santuário da humanidade peregrina, do encontro íntimo da alma consigo mesma, do aflorar feliz das ondas de alegria e esperança, que dão sentido à vida, mas também do conhecimento das vagas de ansiedades e medos que perturbam e matam”, disse, citado na página do Santuário na Internet.

Durante a Vigília foram confiadas ao Imaculado Coração de Maria “todas as vítimas da guerra, em especial na Ucrânia”.

Segundo o santuário, nesta peregrinação estão a participar, pelo menos, 25 grupos organizados de peregrinos, de 13 países.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade