Conecte-se connosco

Portugal

Área ardida representa até 15 de julho quinto valor mais elevado desde 2011

Publicado

em

Os incêndios rurais provocaram até 15 de julho 12.123 hectares de área ardida, mais 25% do que no mesmo período de 2020, representando o quinto valor mais elevado dos últimos 10 anos, segundo um relatório hoje divulgado.

O segundo relatório provisório de incêndios rurais de 2021 do Instituto da Conservação na Natureza e das Florestas (ICNF) indica que, entre 01 de janeiro e 15 de julho, ocorreram 4.263 incêndios rurais, que resultaram em 12.123 hectares (ha) de área ardida, entre povoamentos (2.732 ha), matos (8.300 ha) e agricultura (1.091 ha).

Em comparação com o mesmo período de 2020, os incêndios rurais aumentaram este ano quase 34% e a área ardida subiu 25,5%.

“O ano de 2021 apresenta, até ao dia 15 de julho, o terceiro valor mais reduzido em número de incêndios e o quinto valor mais elevado de área ardida desde 2011”, lê-se no relatório.

O ICNF precisa também que se regista em 2021 “menos 40% de incêndios rurais e menos 42% de área ardida relativamente à média” dos 10 anos anteriores.

O relatório indica que 79% dos incêndios que deflagraram este ano tiveram uma área ardida inferior a um hectare, enquanto 20 fogos situaram-se na categoria de “grande incêndio”, em que a área ardida é igual ou superior a 100 hectares.

O ICNF refere que do total dos 4.263 incêndios rurais verificados foram investigados 3.184, tendo sido atribuída uma causa a 2.435 fogos e as mais frequentes são o uso negligente do fogo (64%), como queimas e queimadas, o incendiarismo – imputáveis (14%) e os reacendimentos representaram 4%.

O relatório dá também conta que os distritos com o maior número de incêndios são o Porto (630), Vila Real (418) e Aveiro (368).

No entanto, os distritos mais afetados, no que concerne à área ardida, é Vila Real, com 3.556 hectares, cerca de 29% da área total ardida até à data, seguido de Braga com 1.847 hectares (15% do total) e de Viana do Castelo com 1.308 hectares (11% do total).

O mesmo documento sublinha que o mês de março foi aquele que apresenta maior número de incêndios rurais, com um total de 1.286 incêndios, o que corresponde a 30% do número total registado no ano, seguido junho, com 998 fogos.

Também é o mês de março aquele que apresenta a maior área ardida este ano, com um total de 6.687 hectares, depois de junho, com 1.495 hectares.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade [video width="1280" height="1280" mp4="https://www.noticiasdecoimbra.pt/wp-content/uploads/2020/11/banner-NDC-radioboanova.mp4" loop="true" autoplay="true" preload="auto"][/video]
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com