Conecte-se connosco

Escolas

Alunos de Oliveira do Hospital ajudam a salvar abelhas

Publicado

em

Vários alunos do Agrupamento de Escolas de Oliveira do Hospital (AEOB) estão a desenvolver um projeto que pretende ajudar a salvar as abelhas, com a construção de hotéis para insetos polinizadores e de armadilhas para espécies invasoras.

“Salvar as Abelhas no AEOH” é o nome do projeto que arrancou no início do segundo período letivo e que chama a atenção para a importância que estes polinizadores têm para a preservação da biodiversidade, manutenção dos ecossistemas e para a segurança alimentar mundial.

Em declarações à agência Lusa, a responsável pelo projeto, Sandra Magalhães, explicou que a ideia surgiu nas aulas de Ciências, tendo em conta que as abelhas estão cada vez mais ameaçadas de extinção, por causa da agricultura intensiva, corte frequente de prados, uso de pesticidas na agricultura, incêndios ou devido a espécies invasoras, como é o caso da vespa velutina (também identificada por vespa asiática).

“O projeto inicialmente começou com articulações disciplinares em termos de 5.ºano, aderindo depois alguns alunos do 6.º ano. Têm sido desenvolvidas várias atividades, nomeadamente sessões de formação, com um apicultor, que permitiu conhecer as diferenças entre abelhas e vespas velutinas e reconhecer o perigo que estas representam para as abelhas”, referiu.

A par disto, têm desenvolvido ‘workshops’ para construção de ‘seed bombs’ e vasinhos ecológicos, para além de terem requalificado espaços verdes e jardins com plantas autóctones, especialmente o rosmaninho.

De acordo com a docente de Ciências e Matemática, têm também construído hotéis para insetos polinizadores, estando agendado para esta sexta-feira, Dia da Abelha, a colocação de mais um, desta feita de maiores dimensões.

Este hotel de insetos, com cerca de meio metro de largura e um metro de altura, será colocado num canteiro, na frente da Escola Básica 2,3 de Oliveira do Hospital (no interior do distrito de Coimbra).

“Neste espaço não iremos cortar a relva, sendo colocada uma placa a indicar isso mesmo”, descreveu.

Sandra Magalhães informou também que nesta escola já foram colocadas quatro armadilhas de vespas asiáticas, prevendo ainda colocar “mais duas ou três”.

“Temos cerca de 50 armadilhas feitas, para colocar em outras escolas do Agrupamento e para distribuir pela comunidade”, acrescentou.

Para sexta-feira, Dia da Abelha, está ainda prevista a realização de uma exposição que visa sensibilizar a comunidade para a importância destes insetos e prestar esclarecimentos sobre as espécies invasoras, com destaque para a vespa velutina.

O projeto “Salvar as Abelhas no AEOH” envolve mais de 200 alunos, maioritariamente do 5.º ano.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link