Conecte-se connosco

Coimbra

ADIBER com 3,7 milhões para Arganil, Góis, Oliveira do Hospital e Tábua

Publicado

em

O Primeiro-Ministro, António Costa, presidiu em Ponte de Sôr à Sessão de assinatura dos Contratos com os GAL para implementação do DLBC – Desenvolvimento Local de Base Comunitária nos territórios rurais do nosso País.ADIBER DLBC 1

O evento contou com a presença dos Ministros da Agricultura, das Florestas e do Desenvolvimento Rural. Capoulas Santos e do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, assim como de vários Secretários de Estado, nomeadamente o do Desenvolvimento Rural, Amândio Torres.

O GAL ADIBER / Beira Serra14-20 formalizou o compromisso com as Autoridades de Gestão para a implementação da Estratégia Local de Desenvolvimento no território de Arganil, Góis, Oliveira do Hospital e Tábua, que permitirá reunir as condições para que em breve e logo que esteja em vigor a respectiva legislação, possa ser dado início ao Programa e à disponibilidade de meios que a Região aguarda há mais de dois anos e meio, desde que encerrou o Subprograma 3 do Proder.

Neste acto a ADIBER fez-se representar pelo Presidente e Secretário da Direcção, Miguel Ventura e Valentim Rosa, tendo também participado na sessão os Presidentes dos Municípios de Arganil, Góis, Oliveira do Hospital e Tábua, numa clara demonstração da coesão e união que caracterizam o GAL e que são fundamentais para ultrapassar os desafios que se avizinham e alcançar o sucesso que se deseja para o Programa, que envolverá nesta Região cerca de 3,7 milhões de euros de apoios públicos ao investimento.

Esta sessão, que contou com cerca de 500 pessoas representantes de Autarquias e dos 52 GAL rurais do nosso País, foi ainda marcada por testemunhos de 2 GAL, um dos quais por parte da ADIBER, facto que honra e reconhece a valia da intervenção LEADER ao longo dos últimos 19 anos na Região da Beira Serra, decorrente do envolvimento de todos quantos contribuíram para que a mesma resultasse em mais desenvolvimento e qualidade de vida para as populações locais, nomeadamente os Promotores dos projectos apoiados que acreditaram no potencial aqui instalado.

Na ocasião Miguel Ventura referiu-se à importância da abordagem LEADER para a concretização de pequenos e micro projectos desenvolvidos nas zonas rurais, que de outra forma não teriam acesso a apoios financeiros, bem como ao modelo em que o Programa se desenvolve, ou seja, numa âmbito de uma parceria local, em que todos os agentes são responsabilizados na concepção e concretização da estratégia que colectivamente definiram.

Mais evidenciou que este Programa e a filosofia que lhe está subjacente não poderá ser abandonada mas, pelo contrário, tem de ser incentivada e reforçada, na medida em que quando o território é pensado de forma integrada e abrangente e se verifica que não são disponibilizados os mecanismos fundamentais para a concretização de toda a amplitude evidenciada na Estratégia, resulta a necessidade de melhorar a articulação com e entre os Organismos do Estado.

“É preciso devolver expressão ao LEADER, financeira, em termos de elegibilidades e de governança, para que a genuína vontade dos territórios em contribuir para identificar as soluções para os seus problemas, não seja condicionada ou limitada”, adiantou.

Após a Presidente da Federação Minha Terra, Regina Lopes, ter descrito um conjunto de preocupações que afectam os GAL e os territórios rurais, nomeadamente os atrasos com o arranque do Programa, o Primeiro-Ministro deixou o compromisso do Governo em olhar de forma diferente para o mundo rural e para as regiões mais vulneráveis, comprometendo-se com medidas que as discriminem positivamente e que promovam a coesão de todo o País.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link