Conecte-se connosco

Região

Acidente em obra da câmara no centro de Arganil

Publicado

em

Dois homens ficaram feridos, um deles com gravidade, após um acidente nas obras de recuperação da galeria hidráulica da Ribeira de Amandos que decorrem na Avenida José Augusto Carvalho, em Arganil.

Nuno Teixeira, 2º Comandante dos Bombeiros Voluntários de Arganil, contou ao NDC que “um dos trabalhadores ficou parcialmente soterrado e já se encontrava inconsciente” à chegada dos operacionais.

O bombeiro referiu ao Notícias de Coimbra que os feridos, com cerca de 30 anos, foram assistidos no local e transportados para os Hospitais de Coimbra.

As causas do acidente ainda estão por apurar, revelou o comandante daquela corporação.

O alerta foi dado às 14:32 e para prestar auxílio foram mobilizados 17 operacionais apoiados por seis viaturas dos Bombeiros Voluntários de Arganil e INEM. A Guarda Nacional Republicana (GNR) registou a ocorrência.

Os trabalhos de abertura da galeria e reconstrução da estrutura subterrânea avançaram recentemente para o troço que abrange a Avenida José Augusto Carvalho, nas imediações do edifício da Câmara Municipal, depois de intervencionada a área junto ao parque infantil da vila. A obra vai estender-se às avenidas Bombeiros Voluntários Argus e Forças Armadas de forma progressiva, permitindo a interrupção gradual da avenida e a criação de circuitos alternativos de circulação.

A artéria principal de Arganil foi até à década de 50 do século passado uma ribeira a céu aberto. Nessa altura, foi objeto de uma intervenção de grande dimensão levada a cabo pela administração central, da qual resultou a construção da galeria subterrânea em betão, que canalizou a ribeira pelo seu trajeto até desaguar na ribeira de Folques, dentro da vila.

Em 2019, uma avaliação da segurança realizada à estrutura evidenciou problemas nas lajes de cobertura, resultantes do avançado estado de corrosão das armaduras. Foram registados níveis de degradação tão elevados que em alguns locais se poderia traduzir no colapso eminente da plataforma viária. Desde então que os veículos pesados ficaram impedidos de circular na artéria principal da vil

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade