Conecte-se connosco

Coimbra

Académica joga sem controlo de entradas e segurança

Publicado

em

Apesar da gerência da Académica ter comunicado que os sócios que desejassem assistir ao Académica-Arouca deviam de ter as quotas em dia, a entrada  de pessoas no estádio Cidade de Coimbra não está a ser controlada.

aac

Notícias de Coimbra viu público e jornalistas a entrarem directamente para “Central Inferior”, pela única porta aberta,  como quiseram e puderam, não existindo ninguém do clube a verificar quem se dirige para o interior do estádio.

A Académica terá decidido não controlar o acesso às bancadas na sequência das questões contratuais  com a empresa de segurança 365, que chegou ao exterior do recinto pelas 15:oo, tendo “desmobilizado uma hora depois,  momento em que um responsável do   clube alegou que não era necessário estarem presentes por se tratar de um jogo particular.

Notícias de Coimbra sabe que a AAC tem contrato até afinal deste ano de 2015 com a 3.6.5. – Segurança Privada, Lda, mas José Eduardo Simões  (JES) quer  denunciar o contrato antes dessa data,  sem ressarcir a empresa que tem sede no estádio.

O presidente da Académica manifestou essa intenção, verbalmente, numa reunião com Nuno Simões Dias e Miguel Guerreiro da Silva, dois dos responsáveis da 365, mas não formalizou esse desejo de colocar um ponto final  do contrato que só termina no final do ano, pelo que a empresa de segurança de Coimbra se prepara para se apresentar no seu local de trabalho durante o jogo marcado para as 17:oo desta quarta-feira.

Miguel Guerreiro da Silva, um dos responsáveis da 365, afirmou a NDC que apesar da reunião e de um mail enviado pela Académica, não receberam qualquer pedido oficial a propor a rescisão imediata do contrato, pelo que a 365 tenciona continuar a prestar os serviços que assegura no Estádio Cidade de Coimbra, comprovada com a presença no local de uma dúzia de funcionários.

Acrescenta que estão disponíveis para negociarem os termos da cessação antecipada do contrato, mas a 365 não tem intenção de abdicar dos valores que lhe são devidos até final do ano, até porque tem compromissos com colaboradores contratados para a prestação dos serviços à Académica no Estádio Cidade de Coimbra e na Academia Dolce Vita.

Esta decisão de JES surge depois da 365 ter colocado um processo de injunção à Académica, onde exigia receber  49 120,81 €, montante relativo a serviços prestados no Estádio Municipal, que engloba a segurança do edifício e os jogos de futebol.

O valor total da divida  da AAC/OAF, SDUQ perante a 365 era (em março de 2015) mais elevado, pois, segundo fonte próxima da empresa de segurança, a sociedade  desportiva não tinha efectuado pagamentos no último ano, sendo os milhares de euros exigidos na Execução Ordinária (que entrou no Tribunal no dia 3 de março) relativos apenas a alguns meses de prestação de serviços.

Recordamos que, como Notícias de Coimbra informou em primeira mão, a 365 foi obrigada a recorrer à justiça devido à ausência de diálogo por parte do presidente José Eduardo Simões, que não se mostrou disponível para a elaboração de um plano de pagamentos com vista à resolução do problema.
Diálogo que só aceitou estabelecer, através de advogada,  quando confrontado  com a decisão do tribunal de penhorar as contas da instituição, que estiveram bloqueadas pelo menos durante dois dias (por ocasião do desafio com o Gil Vicente),  período em que as partes acordaram um plano de pagamentos.

A 365 confirma esta ocorrência e adianta que, num gesto de boa vontade para com a Académica, aceitou receber metade da divida de imediato e a outra metade em prestações mensais.

Notícias de Coimbra apurou que, entretanto, a Académica terá feito um acordo com a 2045- Empresa de Segurança, S.A, com sede em Venda do Pinheiro – Mafra, organização fundada pelos “comandos” Jaime Neves e Sousa Gonçalves. Abílio Rodrigues é o  actual Presidente do Conselho de Administração e o “super espião” Jorge Silva Carvalho foi recentemente empossado como seu CEO, mas a nossa reportagem não encontrou ninguém identificado com a empresa na área do recinto desportivo, o que pode ser justificado pelo facto da Briosa ter optado por não ter segurança no jogo contra o Arouca.
Como o clube não costuma responder aos nosso pedidos de informação, Notícias de Coimbra aguarda que a Académica nos contacte para prestar os esclarecimentos que entender.
Cerca de 300 espectadoras viram que Académica e Arouca empataram. Não viram nem um golo! Ainda bem que não era  a a sério.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com