Conecte-se connosco

Desporto

Académica impede treino do União da Madeira no Municipal de Coimbra

Publicado

em

 Carlos Cidade acusa José Eduardo Simões de impedir União da Madeira de “aquecer” no Estádio Cidade de Coimbra.
sérgio conceição
 
Segundo o vereador do Desporto, a recusa da Académica levou a que a Liga Profissional de Futebol tivesse solicitado à Câmara de Coimbra para treinar no “Estádio de Taveiro” (Cidade deixou de tratar o complexo pelo nome de “Sérgio Conceição”), pedido aceite em prol do bom nome da cidade e da instituição.
Carlos Cidade acrescentou que os madeirenses, que têm um presidente que já pertenceu à AAC, nem sequer precisaram de utilizar os balneários.
 
A afirmação do socialista surgiu na sequência de uma questão do social democrata José Belo, que no decorrer da reunião quinzenal do executivo municipal, quis saber se a CMC tinha recebido algum pedido da equipa madeirense.
O vereador  da oposição também quis saber se a CMC tinha recebido algum pedido para ceder o Sérgio Conceição aos nossos juniores, mas o colega da situação limitou-se a responder que não fazia cedências a sociedades comerciais, uma clara alusão AAC/OAF – SDUQ, Lda.

Fonte oficial da Académica confirmou a NDC que, por questões técnicas, não foi possível emprestar o relvado do Calhabé aos madeirenses.

No entanto, a Briosa sugeriu ao União da Madeira para treinar num campo sintético, oferta que foi  recusada pela equipa treinada por Norton de Matos.
A mesma fonte lamenta  que a  CMC adopte uma política de cobrança de taxas  a entidades sediadas no concelho e não tenha o mesmo tipo de procedimento em relação a organizações estranhas ao município, a quem acusa de ceder instalações sem custos.
O contacto de NDC aproveitou a ocasião para declarar que tem a certeza que não foi a Liga  que requisitou o  Municipal baptizado com o nome de Sérgio Conceição.
Carlos Cidade, contactado por NDC, reafirmou que o pedido de cedência do “Estádio de Taveiro” foi efectuado pelo Engº Fidalgo, representante da Liga.
António Dias, Director Executivo das competições da Liga Portugal, reiterou que a entidade que representa não efectuou nenhum pedido à CMC.
Acrescentou que a LPFP não costuma ter este tipo de intervenções, que costumam ser resolvidas pelos responsáveis dos clubes.
Confirmou ainda que é superior hierárquico do Engº Fidalgo, mas adiantou que não tem conhecimento que ele tenha feito essa diligência.
NDC aguarda uma declaração oficial  do União da MAdeira, SAD.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link