Extra

A FINAL DE ÉDER

Notícias de Coimbra | 3 anos atrás em 14-07-2021

A bola é colocada em jogo após a cobrança de um lançamento lateral. João Moutinho consegue superar dois jogadores franceses, mas erra o passe. Entretanto, a sua falha deixou a jogada indefinida e, com fome para recuperar a bola, Moutinho consegue mantê-la na posse de Portugal.

PUBLICIDADE

William Carvalho recebe o passe, toca para Ricardo Quaresma e Quaresma devolve para Moutinho. Com poucos passes numa jogada coletiva, a bola chega em Éder. O jogador gira sobre a marcação do zagueiro Laurent Koscielny, conduz a bola até o centro do campo e, próximo da entrada da grande área, Éder acerta uma finalização de rara felicidade para bater Hugo Lloris, o guarda-redes da França. São momentos como esse que levam os espectadores a loucura. Essa emoção pode ser vivida em outros tipos de jogos. Receba seu código promocional betclic e tenha uma ótima experiência com diversos jogos de casino em uma das melhores casas do mundo.

“Não tive noção se estava muito longe ou não. A minha intenção e a minha vontade era de rematar. Assim que o espaço surgiu, rematei e para mim o espaço não parecia muito longe. Só depois percebi que era um bocado. Quando a bola bateu na rede foi inacreditável”, declarou o camisa 9 da seleção ao Canal 11.

PUBLICIDADE

Se Éder foi o herói da final, a sua campanha com a camisa de Portugal foi modesta na Euro 2016. Com a concorrência de ninguém menos que Cristiano Ronaldo, o atacante que vestiu a camisa da Académica entre 2008 e 2012 foi relegado à posição de suplente. 

Contra a Islândia, no jogo de estreia na competição de seleções, Éder ficou apenas seis minutos em campo. Na partida seguinte, contra a Áustria, o atacante disputou somente sete minutos. A partir daí, desde a terceira rodada da fase de grupos até a semifinal, Éder não recebeu mais oportunidades, ainda mais considerando que Portugal disputou duas prorrogações, uma nas oitavas e outra nas quartas de final.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

Entretanto, aos 79 minutos de jogo contra a França, Éder foi chamado para substituir Renato Sanches. O atacante já havia mostrado a sua potência física na prorrogação, quando obrigou Hugo Lloris a realizar uma bela defesa para parar a sua finalização de cabeça.

Mas, minutos depois, veio a glória. O atacante que nunca havia marcado gols em competições oficiais por Portugal reservou o melhor para o final.

“Toda a gente a meter-nos críticas, toda a gente a meter-nos lá embaixo. Já falei sobre isso, o grande campeão nisto tudo foi Fernando Santos. A maneira como ele lidou e soube levantar a moral dos jogadores, como ele soube juntar os jogadores, foi a nossa grande arma. Sinceramente, tivemos a sorte do jogo. Não venham me dizer que acreditavam no Èder, é mentira. Ninguém esperava que o Éder entrasse e fico feliz por ele. Toda vez que ele entrava, era o país que caia em cima”. Em 2019, Ricardo Quaresma foi até o Canal 11 para falar sobre a final da Euro 2016. 

De todos os jogadores em campo, Éder talvez era um dos que tinha menos reputação e realizou um sonho que boa parte dos jogadores do mundo seguem sonhando.

“Ederzito, é gigante Éder. Éder a marcar, quem diria. Saiu do banco e está a decidir. Portugal está na frente. Um a zero”. Os relatos da RTP mostram que as dúvidas em volta do jogador eram uma questão nacional. Éder realmente foi o herói improvável da grande decisão.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE