Escolas

Associação humanitária da Mealhada vai reabilitar escola em São Tomé e Príncipe

Notícias de Coimbra com Lusa | 1 ano atrás em 08-03-2023

 A Associação Humanitária Gongô, com sede na Mealhada, está a desenvolver um projeto de reabilitação de uma escola em São Tomé e Príncipe, que deve estar concluído em abril de 2024, revelou hoje a presidente da organização.

PUBLICIDADE

“O projeto para a Escola Primária de Águas Belas prevê a reabilitação do telhado, bem como da casa de banho, pintura de paredes e a construção de uma cerca para os animais não passarem. Gostaríamos muito que este trabalho estivesse concluído em abril do próximo ano”, avançou Paula Gradim, fundadora e presidente da Gongô, que significa amar em dialeto são-tomense.

Em declarações à agência Lusa, Paula Gradim explicou que este é o primeiro grande projeto desta associação, constituída em julho d e que se encontra em fase de recolha de apoios financeiros.

PUBLICIDADE

“Numa fase seguinte, vamos tentar arranjar forma de terem luz, com instalação de painéis solares. Em São Tomé anoitece cedo e quando os alunos saem da escola, pelas 17:30, já é noite”, acrescentou.

De acordo com a presidente da Gongô, esta escola, frequentada por 14 alunos, fica num local remoto, a cerca de 20 quilómetros da cidade de São Tomé, mas que demoram cerca de 90 minutos a serem percorridos por caminhos em terra batida.

PUBLICIDADE

publicidade

PUBLICIDADE

publicidade

“A escola precisa de tudo para poder proporcionar dignidade às crianças que a frequentam. É uma escola em que as crianças que a frequentam nos disseram que precisam de galochas para não terem os pés nos excrementos dos animais quando estão em sala de aula, em que lhes chove em cima e em que o professor nem sempre consegue ir dormir a casa porque chove muito e não consegue percorrer o caminho de regresso na sua mota”, descreveu.

À Lusa, Paula Gradim referiu que esta escola lhe foi indicada por uma professora da Escola Portuguesa de São Tomé, que acabou por conhecer quando participou numa missão de voluntariado, levada a cabo por uma organização não-governamental, em São Tomé e Príncipe, durante duas semanas do ano de 2019.

“Quando voltámos, eu e outros três voluntários do concelho da Mealhada que participámos, ficámos sempre com o bichinho e São Tomé nunca mais nos saiu da cabeça e do coração. Estávamos conscientes de que ficou muito por fazer e que seria melhor criar uma estrutura para podermos levar ajuda para lá, tendo empresas a trabalhar connosco e contando com o apoio do Município da Mealhada”, vincou.

Em 2021, Paula Gradim decidiu regressar a São Tomé, a título particular, tendo ficado hospedada em casa dessa professora da Escola Portuguesa de São Tomé, que a ajudou a encontrar esta “escolinha muito pequenina”.

“Na altura, levámos algum material escolar que tínhamos recolhido a título particular e estabelecemos contactos com professor da escola, bem como outros contactos que nos vão ajudar logisticamente no local, para reabilitar a escola”, acrescentou.

Desde então, vem mantendo contactos regulares com o professor da Escola Primária Águas Belas, que pretendem que se estendam mesmo depois da reabilitação do estabelecimento de ensino, de forma a garantir “a manutenção do espaço”.

“Mesmo depois de reabilitar a escola, pretendemos manter uma proximidade com os alunos e com o professor. É muito importante que se sintam acompanhados, para que possam aprender a manter os equipamentos e como melhor usufruírem e respeitarem estes espaços, que culturalmente não aprenderam a valorizar”, alegou.

A associação está a preparar a sua apresentação pública, que deverá ocorrer a 12 de maio.

Related Images:

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE