Conecte-se connosco

Cidade

80 novos hotéis em licenciamento. 2 em Coimbra

Publicado

em

Oitenta e um projetos de novos hotéis entraram em licenciamento em 2018, elevando para 256 os novos empreendimentos desde 2015, destacando-se as áreas metropolitanas de Lisboa e Porto como “principais destinos de investimento”, revela hoje a Confidencial Imobiliário.

“Em 2018 entraram em processo de licenciamento 81 novos projetos hoteleiros em Portugal, um número que se manteve estável face às 84 unidades que foram submetidas em 2017”, aponta o índice ‘Pipeline Imobiliário’, acrescentando que “o número de novos projetos hoteleiros lançados em 2018 eleva a carteira de hotéis que entraram em licenciamento entre 2015 e 2018 ascende a 256 unidades”.

Segundo a Confidencial Imobiliário, “nestes quatro anos as Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto são os principais destinos de investimento em novos hotéis (com 35% e 25%, respetivamente, das unidades em carteira), enquanto o Algarve apresenta uma quota de 7%, praticamente duplicada pelo Centro e Norte, com pesos de 15% e 13%”. Já o Alentejo “pesa apenas 5%”.

Os novos projetos contabilizados em 2018 distribuem-se por 37 concelhos, “confirmando a crescente pulverização do turismo e do investimento hoteleiro”, mas Lisboa e Porto mantêm-se como “os principais destinos deste novo investimento”, concentrando, respetivamente, 19 e 21 unidades em carteira no ano passado.

Os dados da Confidencial Imobiliário apontam que em 2018, além destas duas cidades, apenas Cascais (três), Coimbra (dois) e Alcácer do Sal (dois) apresentam um ‘pipeline’ com mais de uma unidade a entrar em licenciamento.

Em termos de dimensão dos novos hotéis a entrar em processo de licenciamento em 2018, os dois maiores apresentam ambos uma área ligeiramente acima dos 15.000 metros quadrados, situando-se um em Grândola (Carvalhal) e o outro em Vila Nova de Gaia.

Entre os restantes, apenas três unidades têm uma área superior a 10.000 metros quadrados (a maior das quais com 11.500 metros quadrados), localizando-se em duas em Lisboa e a outra Cascais.

As remanescentes 13 têm entre 5.000 e 10.000 metros quadrados, situando-se a maioria da oferta (três quartos) abaixo dos 5.000 metros quadrados, das quais mais de metade com áreas inferiores a 2.000 metros quadrados.

Os dados de ‘pipeline’ são apurados pela Confidencial Imobiliário no âmbito da análise e tratamento dos pré-certificados energéticos emitidos pela ADENE – Agência para a Energia, que têm obrigatoriamente de integrar os processos de licenciamento municipal de obras.

De acordo com a consultora, de fora ficaram “pequenas obras de reabilitação para as quais se dispensa a emissão de pré-certificados energéticos”.

A Confidencial Imobiliário é uma empresa especializada em informação dirigida aos profissionais do mercado imobiliário, produzindo e difundindo indicadores de análise do mercado e detendo índices e bases de dados exclusivas sobre a oferta e vendas de fogos.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link