Conecte-se connosco

Economia

Governo avança com 250 milhões de euros até 2026 para fortalecer infraestruturas críticas

Publicado

em

O ministro da Administração Interna disse hoje que está previsto um investimento superior a 250 milhões de euros até 2026 na modernização tecnológica e fortalecimento das infraestruturas críticas, tendo em conta a sua importância para a segurança nacional.

“No plano de investimentos de natureza plurianual em infraestruturas e equipamentos do Ministério da Administração Interna (MAI) temos previsto nomeadamente para as infraestruturas tecnológicas e para robustecimento das infraestruturas críticas um investimento superior 250 milhões de euros no conjunto dos 600 milhões de euros de investimento na modernização das infraestruturas e equipamentos das forças de segurança”, disse José Luís Carneiro numa visita ao salão internacional da proteção, segurança e defesa (SEGUREX 2022).

Na sessão de abertura das conferências SEGUREX, em que um dos temas abordados foram os “desafios para a segurança no ciberespaço a proteção de infraestruturas críticas”, o governante falou dos riscos das infraestruturas críticas devido às ameaças dos ciberataques, considerando por isso este investimento “mesmo essencial”.

O ministro referiu que um ciberataque pode incapacitar totalmente uma infraestrutura, sendo um trabalho de preparação para estas ameaças a definição das infraestruturas criticas nacionais, sobre as quais recai uma atenção particular porque delas depende grande parte do normal funcionamento do país.

“As telecomunicações, a energia, a banca e as finanças, os transportes, os sistemas de fornecimento de água e serviços de emergência são dimensões da nossa vida coletiva que exigem uma particular atenção e uma especial cumprimento da parte das instituições e uma cooperação”, disse, frisando que constituem setores críticos para a salvaguarda da segurança nacional.

As infraestruturas críticas são instalações como aeroportos, centrais elétricas, barragens, caminhos-de-ferro, centrais de transportes, portos e todos os locais relacionados com pontos de decisão do Estado, cuja inutilização, em caso de um ataque ou de uma catástrofe, têm consequências graves para a sociedade ou para o país.

Em maio, o ministro avançou que Portugal tinha identificadas, até essa data, mais de 150 infraestruturas críticas, que estão a ser objeto de monitorização.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com