Conecte-se connosco

Crimes

60 pessoas detidas este ano pelo crime de incêndio florestal

Publicado

em

Pelo menos 60 pessoas foram detidas este ano pelo crime de incêndio florestal e o uso do fogo em dias inadequados representa dois terços das causas investigadas, revelou hoje a Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais.

“É mesmo muito importante que as pessoas se abstenham de usar o fogo e máquinas nos dias críticos, porque estes representam mais de dois terços dos incêndios que têm as causas investigadas”, disse à agência Lusa o presidente da Agência para a Gestão Integrada de Fogos Rurais (AGIF).

Tiago Oliveira deu também conta que este ano foram identificadas 117 pessoas pela Guarda Nacional Republicana e Polícia Judiciária pelo crime de incêndio florestal e destacou o trabalho destas duas polícias, que “estão há muito no terreno a acompanhar as situações”.

O responsável pela agência, que tem como missão a coordenação estratégica, sublinhou igualmente que a GNR, juntamente com a Força Aérea, está a fazer um trabalho de vigilância e dissuasão aérea “para apanhar as pessoas” que estão a fazer queimadas porque entendem que devem as fazer em dias de proibição.

“Têm que ser detidas naquele ato flagrante, porque é proibido e é crime. Aquele gesto que estão a fazer, que habitualmente no passado não gerava grandes problemas, mas agora, com as condições meteorológicas que temos e no estado da secura que existe e num dia de vento, pode fazer um incêndio de grandes dimensões e três quilómetros adiante até contribui para matar alguém”, sustentou.

Tiago Oliveira frisou que é “mesmo muito importante que as pessoas se abstenham de utilizar o fogo e utilizar as máquinas e terem cuidado com o território”.

O presidente da AGIF, que falava à Lusa no dia em que foi lançada uma campanha de sensibilização sobre o uso do fogo e medidas de autoproteção junto dos emigrantes que chegam a Portugal de férias, considerou que agosto “vai depender muito da existência ou não de ondas de calor”, uma vez que o ano é seco, e “todos os cuidados são muito relevantes” e todos os portugueses devem adaptar os comportamentos quando se deslocarem para os espaços rurais no próximo mês.

“O dispositivo tem limitações, os recursos são finitos e daí estarmos sempre a apelar ao comportamento das pessoas para não usarem as máquinas nos dias mais difíceis, não utilizarem o fogo e queimadas”, precisou ainda.

Continuar a ler
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com