Conecte-se connosco

Coimbra

PS diz que atribuição de pelouros a Francisco Queirós é caricata

Publicado

em

O PS diz que é “caricato” que o novo presidente da Câmara de Coimbra, José Manuel Silva, tenha atribuído pelouros ao vereador da CDU, Francisco Queirós acusando-o de “incoerência política”. No anterior mandato liderado por Manuel Machado e quando o ex-bastonário da Ordem dos Médicos era da bancada da oposição apelidou várias vezes Francisco Queirós de “vereador da maioria socialista comunista”.

“Quanto à revelação da atribuição de pelouros ao vereador da CDU, o PS considera caricato. Quem tanto apelidou a CDU de muleta governativa do PS vem agora tentar jogar cartas de incoerência política logo no primeiro dia do mandato”, lê-se num comunicado enviado hoje pelo PS ao Notícias de Coimbra.

O Partido Socialista perdeu as eleições para a mega coligação Juntos Somos Coimbra, liderada por José Manuel Silva, mas conseguiu eleger o presidente d mesa da Assembleia Municipal, Luís Marinho, que derrotou Lídia Pereira.

“Felizmente essa incoerência não teve reflexo no resultado obtido na Assembleia Municipal, esperando que este comportamento se mantenha, sempre que a direita pretenda colocar em causa a cidade e os princípios basilares de uma sociedade mais justa e igual, por nós defendida”, refere o documento. 

O PS garante ainda que vai liderar “umoposição responsável e construtiva,contra tentativas de diminuir ou apagar eixos fundamentais, como a ação social, a educação e apoio às famílias, bem como, o caminho de investimento que fizemos nos transportes públicos e que é  antagónico com o que foi feito pelos PSD e CDS em doze anos de mandato anterior, onde se preparavam para privatizar os SMTUC”. 

Francisco Queirós vai assumir os pelouros da agricultura, hortas urbanas e alimentação; espaços verdes e jardins; arquivo e bibliotecas e serviço médico veterinário (a única área que mantém do anterior mandato, no qual estava à frente da habitação social).

Em conferência de imprensa o autarca fez questão de dizer que a CDU aceitou integrar o executivo por lhe terem sido dadas “condições de independência política”.

Francisco Queirós salientou que a CDU tem assumido responsabilidades executivas em diferentes mandatos da Câmara de Coimbra (tinha pelouros no anterior mandato liderado pelo PS) e, por isso, aceitou o convite do executivo liderado por José Manuel Silva para assumir a vereação a tempo inteiro, por terem sido “garantidas condições de independência política e, simultaneamente, disponibilizados meios para o desempenho de funções nas áreas de competência atribuída”.

“Foi assegurado o princípio de que não há acordo algum e, em momento algum, nos sentiremos inibidos de tomar as posições que consideramos justas”, frisou Francisco Queirós.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
close-link
close-link